PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NO OCIDENTE: UMA PROPOSTA EAD PARA QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ÁREA DE SAÚDE

Lourdes Mary Carvalho Milder

Resumo


Práticas Integrativas e Complementares (PIC) englobam todos os sistemas de saúde com intuito de prevenir ou tratar uma doença. É complementar pela característica auxiliar em tratamentos convencionais. É integrativa, uma vez que preconiza o tratamento do indivíduo como um todo, de modo a proporcionar sua melhor integração com o meio ambiente e a sociedade. Sua expansão no mundo ocidental está relacionada ao movimento de globalização e a facilidade de acesso a meios eletrônicos. Objetivo: Este trabalho visa esclarecer o propósito da PIC, destaca as diretrizes indicadas pela OMS para condução destas modalidades, a forma como os Estados Unidos e a Europa estão conduzindo este processo e apresenta uma proposta para implantação de um curso de PIC na modalidade EAD inserido no processo educativo de profissionais da Saúde. Metodologia: Pesquisa documental a partir de informações disponibilizadas por Órgãos competentes e artigos científicos publicados. Conclusão: A fim de prestar esclarecimentos, aconselhamento e suporte à população, os profissionais de saúde devem estar familiarizados com a evolução e as aplicabilidades das modalidades PIC no mundo ocidental.


Referências


CAM Mission and vision [Internet]. European Federation for Complementary and Alternative Medicine. 2016. Disponível em http://www.efcam.eu/efcam/efcam-missionvision/.

Contatore Octávio, Barros N., Durval M. et al. Uso, cuidado e política das práticas integrativas e complementares na Atenção Primária à Saúde. [Internet] Ciênc. saúde coletiva Out, 2015; 20(10): 3263-3273.

Sales Ana, Toutain Lídia. Aspectos que norteiam a avaliação da qualidade da informação em saúde na era da sociedade digital. [Dissertação]. Salvador, BA. Universidade Federal da Bahia. Mestrado em Ciência da Informação.

BRASIL. Portaria GM nº 971, de 03 de maio de 2006. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. 2006. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html.

BRASIL. Portaria MS nº 145, de 11 de janeiro de 2017. Atualização da tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde (SUS). 2017. Disponível em http://www.lex.com.br/legis_27275941_PORTARIA_N_145_DE_11_DE_JANEIRO_DE_2017.aspx.

BRASIL. Portaria MS nº 849, de 27 de março de 2017. Inclui a Arteterapia, Ayurveda, Biodança, Dança Circular, Meditação, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Reiki, Shantala, Terapia Comunitária Integrativa e Yoga à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. 2017. Disponível em http://www.lex.com.br/legis_27357131_PORTARIA_N_849_DE_27_DE_MARCO_DE_2017.aspx.

DAB (Departamento de Atenção Básica à Saúde). Práticas Integrativas e Complementares [Internet]. Disponível em http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_pic.php.

Barros, José. " Pensando o processo saúde doença: a que responde o modelo biomédico?" Saúde e Sociedade [Online], 11.1 (2002): 67-84 . Web. 27 Jun. 2017

Tsuei, Julia J. “Eastern and Western Approaches to Medicine.” [Internet]. Western Journal of Medicine 1978;128.6:551–557.

Siegel Pamela, Barros Nelson. Práticas Integrativas na Oncologia. [Internet] Physis. 2014;24(4):1367-1370. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312014000400018.

OBADIA, Lionel. The Internationalisation and Hybridization of Medicines in Perspective? Some Reflections and Comparisons between East and West. Transtext(e)s Transcultures [Internet] 2009, 5, document 8. Disponível em https://transtexts.revues.org/276?lang=en. DOI: 10.4000/transtexts.276.

About WHO. [Internet] OMS. 2012. Disponível em http://www.who.int/about/en/.

Traditional Medicine strategy: 2014-2023. [Internet]. OMS. Disponível em http://www.who.int/medicines/publications/traditional/trm_strategy14_23/en/.

Frass Michael, Strassi RP, Friehs H et al. “Use and Acceptance of Complementary and Alternative Medicine Among the General Population and Medical Personnel: A Systematic Review.” [Internet] .The Ochsner Journal 2012;12(1):45–56. PMCID: PMC3307506.

Shirwaikar Annie, Govindarajan Raghavan, Rawat Ajay. Integrating Complementary and Alternative Medicine with Primary Health Care. [Internet] Dubai. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine;2013; Article ID 948308. DOI: 10.1155/2013/948308.

Introduction [Internet]. NCCIH. 2011. Disponível em https://nccih.nih.gov/about/plans/2011/introduction.htm.

Statistics on Complementary and Integrative Health Approaches. [Internet]. NCCIH. 2015. Disponível em https://nccih.nih.gov/research/statistics.

CAM Status in Europe [Internet]. European Federation for Complementary and Alternative Medicine. 2016. Disponível em http://www.efcam.eu/cam/cam-status-in-europe/.

Legal Status and regulation of CAM in Europe. Part I – CAM regulations in the European countries. Final report. 2012. [Internet]. EFCAM. 2015. Disponível em http://www.cam-europe.eu/dms/files/CAMbrella_Reports/CAMbrella-WP2-part_1final.pdf.

BRASIL. Portaria DAB nº 853, de 17 de novembro de 2006. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares Código SCNES. 2006. Disponível em http://189.28.128.100/dab/docs/legislacao/portaria853_17_11_06.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: Atitude de ampliação de acesso. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – 2ª ed. – Brasília. Ministério da Saúde, 2015.

Instituto Universal Brasileiro: Quem somos. [Internet]. São Paulo. Disponível em http://www.institutouniversal.com.br/institucional/quem-somos

BRASIL. Decreto Nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 2005. Disponível em http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/portarias/dec5.622.pdf

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. Referenciais de Qualidade para Educação Superior a Distância. 2007. Brasília. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/legislacao/refead1.pdf

Complementary, Alternative, or Integrative Health: What’s in a name? [Internet]. NCCIH. Disponível em http://www.nccih.nih.gov

Roy, Rustum. “Integrative Medicine to Tackle the Problem of Chronic Diseases.” [Internet] J Ayurveda Integr Med. 2010;1(1):18–21. PMCID: PMC3149386

Falci L, Shi Z, Greenlee H. Multiple Chronic Conditions and Use of Complementary and Alternative Medicine Among US Adults: Results From the 2012 National Health Interview Survey. [Internet] Prev Chronic Dis 2016; 13:150501. DOI: http://dx.doi.org/10.5888/pcd13.150501.

Telesi Júnior, Emílio. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. [Internet]. Estudos Avançados, 2016:30(86):99-112. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142016.00100007.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Relatório de Gestão 2006-2010. [Internet]. Brasília. 2011.

Silva Adriane, Santos Ana Maria, Cortez Elaine et al. Limites e possibilidades do ensino à distância (EaD) na educação permanente em saúde: revisão integrativa. [Internet] Ciênc. saúde coletiva. 2015;20(4):1099-1107. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015204.17832013.

Del Giglio Adriana, Abdala Beatrice, Ogawa Carolina et al. Qualidade da informação da internet disponível para pacientes em páginas em português. [Internet] Rev. Assoc. Med. Bras. 2012;58(6):645-649. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302012000600007.

AZEVEDO Elaine, PELICIONI Maria Cecília. Práticas integrativas e complementares de desafios para a educação. [Internet] Trab. educ. saúde 2011;9.3. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462011000300002.

Pennafort Viviane, Freitas Consuelo, Aguiar Clayre et al. Práticas Integrativas e o empoderamento da enfermagem. [Internet] REME. 2017;16.2:361-378. DOI: http://www.dx.doi.org/S1415-27622012000200019. ISSN (on-line): 2316-9389.

Cadernos de Naturologia e Terapias Complementares. [Internet]. ISSN (on-line) 2316-915X.

Heberle Mariluza. Um estudo da concepção dos profissionais de saúde sobre as Práticas Integrativas e Complementares em Saúde. [dissertação]. Santa Maria-RS. Universidade Federal de Santa Maria. 2013.

Pereira, Leo. Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Básica à Saúde: na direção da autonomia do usuário. [residência]. Florianópolis:Universidade Federal de Santa Catarina. 2016.

Thiago Sônia, Tesser Charles. Percepção de médicos e enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família sobre terapias complementares. Rev. Saúde Pública. [Internet]. 2011;45(2):249-257. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000002.

Vianna Luciano, Ataide Cintia, Ferreira Marussa. Educação a distância no Brasil: Cotidiano, Prática, Avanços e Perspectivas. [Internet] ENFOPE. 2015;8(1). ISSN: 2179-0663.

Ferreira Marcello, Carneiro Tereza. A institucionalização da Educação a Distância no Ensino Superior Público Brasileiro: análise do Sistema Universidade Aberta do Brasil. [Internet]. Educação Unisinos. Maio/agosto 2015;19(2):228-242. DOI: 10.4013/edu.2015.192.07


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cadernos da Escola de Saúde. ISSN Eletrônico: 1984-7041.