AVALIAÇÃO DO PADRÃO DO USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOTRÓPICAS EM FUNCIONÁRIOS DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA DE ENSINO SUPERIOR EM CURITIBA-PR

Brunna Tavares da Silveira Sales, Fernando Ribeiro Kopp, Tamires Bombardelli Gomig, Adriana de Oliveira Christoff

Resumo


O uso de substâncias psicotrópicas por trabalhadores vem sendo foco de estudo, pois se considera de grande relevância os problemas que este uso acarreta para o próprio funcionário e para o seu local de trabalho. Um funcionário que esteja sob o efeito dessas substâncias sofre com perda de reflexos, falta de concentração e desatenção e por isso está mais propenso a cometer atos inseguros, responsáveis por danos à própria vida, à de terceiros e ao patrimônio da empresa em que trabalha. Com isso, o objetivo deste estudo foi avaliar o padrão do uso de álcool, tabaco e outras substâncias psicotrópicas em trabalhadores de uma instituição privada de ensino superior em Curitiba. Para isso foi utilizado o questionário ASSIST (Alcohol, Smoking and Substance Involvement Screening Test), um instrumento de detecção do padrão de uso de drogas, de baixo custo que visa à prevenção e promoção da saúde em ambientes de atenção primária a saúde e no ambiente de trabalho. Foram entrevistados funcionários de ambos os gêneros. Com isso pode-se avaliar o padrão de uso de 12 classes de substâncias psicotrópicas. Os resultados demonstraram que o álcool e o tabaco foram às substâncias mais consumidas nos últimos três meses, com uma porcentagem de 70,38% e 21,02%, respectivamente. Os funcionários que pontuaram a faixa de risco moderado a alto receberam uma intervenção breve baseada na entrevista motivacional, a fim de ajudá-los na mudança de comportamento para reduzir riscos associados aos problemas relacionados ao uso de drogas.


Referências


REFERÊNCIAS

Brunton LL, Chabner BA, Knollmann BC. Goodman & Gilman. As bases farmacológicas da terapêutica. 12. Ed. Rio de Janeiro: mcgraw-Hill, 2012.

Carlini EA, Galduroz JCF, Silva AAB, Noto AR, Fonseca AM, Nappo AS, et al. II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: Estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país – 2005. São Paulo: CEBRID - Centro Brasileiro de Informação sobre Drogas Psicotrópicas: UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo, 2006. Disponível em: < file:///C:/Users/asus/Downloads/II-Levantamento-Domiciliar-sobre-o-Uso-de-Drogas-Psicotr%C3%b3picas-no-Brasil.pdf>. Acessado em: 12 out 2016

Giovannetti MO. A intervenção breve como estratégia de prevenção à dependência química no ambiente de trabalho. 2006. 81 f. Trabalho de Conclusão do Curso de Pós-Graduação (Especialista em Dependências Químicas) - Pontifícia Universidade Católica, Curitiba, 2006.

Behrouz S. 2003. Problemas Ligados ao Álcool e a Drogas no Local de trabalho. Tradução de Luís Pinto. Lisboa, 2008. 138 p. Tradução de: Alcohol and drug problems at work. The shift to prevention. Disponível em: . Acessado em: 20 set 2016.

American Psychiatric Association: Diagnostic and statistical manual of mental disorders, fifth edition. Arlington, va, american psychiatric association, 2013. Disponível em Acessado em: 25 maio 2017.

Sobral CA, Pereira PC. A co-dependência dos familiares do dependente químico: revisão da literatura. Revista Fafibe On-Line, São Paulo, ano V, n.5, 2012.

São Paulo. Prefeitura Municipal. Guia Prático sobre Uso, Abuso e Dependência de Substâncias Psicotrópicas para Educadores e Profissionais da Saúde. 2006. 117p. Disponível em: . Acessado em: 08 nov 2016.

Ministério da Justiça (BR) Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas. Prevenção ao uso de álcool e outras drogas no ambiente de trabalho: conhecer para ajudar. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas: Serviço Social da Indústria. Brasília, 2008.

Serviço social da indústria - SESI. Programas de prevenção no ambiente de trabalho: qual é o melhor modelo? Curitiba, 2013. Disponível em: . Acessado em: 06 nov 2016.

Galduroz JCF, Noto AR, Nappo AS, Carlini EA. Uso de drogas psicotrópicas no Brasil: pesquisa domiciliar envolvendo as 107 maiores cidades do país – 2001. Revista Latino Americana de enfermagem, Ribeirão Preto, n. 13, p. 888-895, 2005. Disponível em: . Acessado em: 12 out 2016

Meyer M. Guia Prático Para Programas De Prevenção De Drogas. São Paulo, Sociedade Beneficente Israelita do Brasil - Hospital Albert Einstein, 2003. Disponível em: . Acessado em 21 out 2016.

Henrique IFS, Lacerda RB, Lacerda LA, Formigon MLOS. Validação da Versão brasileira do teste de triagem do envolvimento com álcool, cigarro e outras substâncias (ASSIST). Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v.50, n.2, p.199-206, 2004.

World Health Organization - WHO. Management of substance abuse - The ASSIST project - Alcohol, Smoking and Substance Involvement Screening Test. Geneva. Disponível em: . Acessado em: 10 out 2016

Barreto HAG. Confiabilidade teste-reteste do assist na forma de autopreenchimento em estudantes universitários. 2012. 115 f. Dissertação (Mestrado em farmacologia) – Departamento de Farmacologia, Setor de Ciências Biológicas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

Christoff AO, Lacerda RB, Reducing substance involvement in college students: A three-arm parallel-group randomized controlled trial of a computer-based intervention. Addictive Behaviors, n. 45, p. 164–171, 2015.

Who Assist Working Group. The alcohol Smoking and substance Involvement Screening Test (ASSIST): development, reliability and feasibility.Addiction, 97, 1183-1194, 2002.

Humeniuk R, Ali R. Validation of the Alcohol, Smoking and Substance Involvement Screening Test (ASSIST) and Pilot Brief Intervention: A Technical Report of Phase II Findings of the WHO ASSIST Project. Geneva, World Health Organization, 2010.

Marques ACPR, Furtado EF. Intervenções breves para problemas relacionados ao álcool. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 26, p. 28-32, 2004. Disponível em: . Acessado em: 21 out 2016.

Madras KK, Compton WM, vula D, Stegbauer T, Stein JB, Clark, HW. Screeening, brief ointerventions, referral to treatment (SBIRT) for illicit drug and alcohol use at multiple healthcare sites: a comparison at intake and 6 months later. Drug and alcohol Dependence, 99, 2-3, 2009.

Lee NK. Alcohol interventions – Whats works? Australian Family Physician, 37, 2008.

Ministério da Justiça (BR). Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas. Efeitos de substâncias psicoativas: módulo 2. – 7. Ed. – Brasília, 2014.

Behrouz S, International Labour Office. Problemas Ligados ao Álcool e a Drogas no Local de trabalho. Primeira Edição. Genebra, Organização Internacional do Trabalho, 2008; pp.138.

Ministério da Justiça (BR). Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas. Prevenção do uso de drogas: capacitação para conselheiros e lideranças comunitárias. 5. Ed. Brasília, 2013.

ECHER IC, Correa APA, Lucena AF, Ferreira SAL, Knors MM. Prevalência do tabagismo em funcionários de um hospital universitário. Rio Grande do Sul (RS): Escola de Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.

Instituto nacional do cancer. INCA. 29 de agosto – Dia Nacional de Combate ao Fumo. O que é Narguilé? Rio de Janeiro – RS. 2008.

Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Publicas do Álcool e Outras Drogas. INPAD. II LENAD – Levantamento Nacional do Álcool e Drogas. UNIFESP. São Paulo, 2012.

Jornada preparatória parao o XXIII CBABEAD. 1, 2014, São Paulo. Políticas Preventivas sobre Drogas e a Realidade Brasileira. São Paulo: ABEAD, 2014. P.23.

Instituto Nacional de Cancer – INCA. Tabagismo um grave problema de saúde pública.1ª edição - Rio de janeiro –RJ, 2007

Oliveira LAC. Drogas No Ambiente De Trabalho. Conselho Municipal de Políticas Públicas de Drogas e Álcool- COMUDA. Prefeitura do Estado de São Paulo, 2008.

Martins ERC, Zeitoune RCG. As condições de trabalho como fator desencadeador do uso de substâncias psicoativas pelos trabalhadores de enfermagem. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 11, n. 4, p. 639-644, 2007. Disponível em: . Acessado em: 08 nov 2016.

Lopes M. Uso de álcool, estresse no trabalho e fatores associados entre servidores técnico-administrativos de uma universidade pública. 2011. 170 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Psiquiátrica, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011.

Rocha PR; David HMSL. Patterns of alcohol and drug consumption in health care professionals: a portrait of students of lato sensu courses in a public institution. SMAD. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, Ribeirão Preto, v. 11, n. 1, p. 41-48, 2015. Disponível em: . Acessado em: 08 nov 2016.

Gavioli A, Mathias TAF, Rossi RM, Oliveira MLF. Risco relacionado ao consumo de drogas em homens trabalhadores da construção civil. Acta Paul Enferm. 2014.

Schroeder C, Hoch VA. Uso de bebidas alcoólicas entre funcionários/colaboradores de empresas. Unoesc & Ciência – ACHS, Joaçaba, v. 1, n. 2, p. 169-182, 2010.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cadernos da Escola de Saúde. ISSN Eletrônico: 1984-7041.