CONDIÇÕES MICROBIOLÓGICAS DE COZINHAS E MANIPULADORES DE MERENDA ESCOLAR EM MUNICÍPIO DO SUL DO BRASIL

Patrícia Dias Araújo, Elisa Sisti, Maria Letícia d de Lima Manske, Bárbara Bastos, Daiana Magro da Silva, Cassiane r de Paula Richte

Resumo


Objetivo: O presente trabalho tem como objetivo avaliar as condições higiênico-sanitárias, bem como detectar e isolar os possíveis microorganismos presentes em utensílios de cozinhas de escolas públicas e mãos e fezes dos respectivos manipuladores da merenda escolar destes locais.

Métodos: Uma lista de verificação para avaliação das condições físicas e higiênico-sanitárias das cozinhas escolares foi aplicada em 7 diferentes Instituições de Ensino. Um questionário sociodemográfico, acompanhado das coletas para análises microbiológicas de utensílios, superfícies, mãos, unhas e fezes das merendeiras também foram realizadas nestes locais. Para tanto, os microorganismos pesquisados foram: Escherichia coli, Staphylococcus aureus e Salmonella spp. Resultados: Cerca de 50% das escolas visitadas eram caracterizadas como Instituições de Educação Infantil e a média de 2 merendeiras por escola foi encontrada nos locais visitados, nos quais em sua 

maioria, as variáveis  higiênico-sanitárias avaliadas encontravam-se fora das conformidades. Dentre os resultados microbiológicos dos utensílios e superfícies analisadas, o crescimento de S.aureus e E.coli em 14,2% das tábuas foi verificado, enquanto nos liquidificadores, 28,5% de positividade para os mesmos microorganismos foi encontrado. Já nas bancadas, ocorreu o crescimento de 14,2% de S.aureus e 42,5% de E.coli. As análises microbiológicas realizadas a partir das mãos das merendeiras demonstraram o crescimento de 14,2% de S.aureus e 42,8% de E.coli em um total de 16 amostras. Para as unhas analisadas, apenas 14,2% das amostras apresentaram positividade microbiológica para S.aureus.

Conclusão: Os resultados encontrados nesta pesquisa apontam as condições higiênico-sanitárias inadequadas dos manipuladores como uma das principais causas da contaminação de alimentos, uma vez que a presença de E.coli nas mãos e utensílios analisados foi evidenciada

Referências


Rossetti-Ferreira MC, Amorim KS, Vitória T. A creche enquanto contexto possível de desenvolvimento da criança pequena. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum. 4(2): 35-40, jul.-dez. 1994.

Silva C, Germano MIS, Germano PML. Condições higiênico-sanitárias dos locais de preparação da merenda escolar, da rede estadual de ensino em São Paulo, SP. Hig. aliment. 17(110): 49-55, jul. 2003.

Façanha SHF, Monte ALS, Ferreira NDL, Alves TM, Dias GM, Ridriguês JMP, Paulo APF. Treinamento para manipuladores de alimentos, em escolas da rede municipal de ensino, da sede e distritos do Município de Meruoca, Ceará: relato de experiência. Hig. aliment. 17(106): 30-34, mar. 2003.

Greig JD, Ravel A. Analysis of foodborne outbreak data reported internationally for source attribution. Int J Food Microbiol. 2009, Mar. 31; 130(2): 77-87.

Lima JX, Oliveira LF. O crescimento do restaurante self-service: aspectos positivos e negativos para o consumidor. Hig. Aliment. 2005; 19(128): 45-53.

Reyes JE, Bastías JM, Gutiérrez MR, Rodríguez Mde L. Prevalence of Bacillus cereus in dried milk products used by Chilean School Feeding Program. Food Microbiol. 2007, Feb; 24(1): 1-6.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC nº 275, de 21 de Outubro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Saúde Legis - Sistema de Legislação da Saúde. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC nº 216, de 15 de Setembro de 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Saúde Legis - Sistema de Legislação da Saúde. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2010.

Vanderzant C, Splittstoesser DF. Compendium of methods for the microbiological examination of foods. 3rd. ed. Washington, USA: American Public Health Association (APHA), 1992.

Campos AKC, Cardonha AMS, Pinheiro LBG, Ferreira NR, Azevedo PRM, Stamford TLM. Assessment of personal hygiene and practices of food handlers in municipal public schools of Natal, Brazil. Food Control. 20(9): 807-810, Sep. 2009.

Silva JR, E.A. Manual de controle higiênico-sanitário em serviços de alimentação. São Paulo: Varela, 2005. 623 p.

Poerner N, Rodrigues E, Palhano AL, Fiorentini AM. Avaliação das condições higiênico-sanitárias em serviços de alimentação. Rev. Inst. Adolfo Lutz. 68(3): 399-405, set.-dez. 2009.

Oliveira MN, Brasil ALD, Taddei, JAAC. Avaliação das condições higiênico-sanitárias das cozinhas de creches públicas e filantrópicas. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, June 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2011.

Heidemann R, Traebert J, Lacerda JT. Nível de conhecimento dos trabalhadores de indústrias de produtos suínos sobre a manipulação higiênica dos alimentos. Hig. aliment. 23(174/175): 47-51, jul.-ago. 2009.

Almeida RCC, Kuaye AY, Serrano AM, Almeida PF. Avaliação e controle da qualidade microbiológica de mãos de manipuladores de alimentos. Rev. Saúde Pública [online]. 1995, vol.29, n.4, pp. 290-294. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2010.

Cardozo TZ, Hamanaka HDN, Teixeira EP, Oliveira RC, Fonseca YSK, Arine MLB, Dias AMG. Controle de qualidade em lactário. Hig. aliment. 18(120): 64-69, maio 2004.

Carneiro LC. Avaliação de Escherichia coli em manipuladores de alimentos da cidade de Morrinhos-GO. Vita et Sanitas, Trindade/Go, v. 2, n. 02, 2008. p. 31-42.

Shinohara NKS, Barros VB, Jimenez SMC, Machado ECL, Dutra RAF, Lima Filho JL. Salmonella spp., importante agente patogênico veiculado em alimentos. Ciênc. saúde coletiva. Rio de Janeiro, v. 13, n. 5, Out. 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2010.

Chesca AC, Moreira PA, Andrade SCBJ, Martinelli TM. Equipamentos e utensílios de unidades de alimentação e nutrição: um risco constante de contaminação das refeições. Hig. aliment. 2003; 17(114/115): 20-23.

Leite LHM, Machado PAN, Vasconcellos ALR, Carvalho IM. Boas práticas de higiene e conservação de alimentos em cozinhas residenciais de usuários do programa saúde da família-Lapa. Rev. ciênc. méd., (Campinas). Campinas, 18(2): 81-88, mar.-abr. 2009.

Hazelwood D, McLean A. Manual de higiene para manipuladores de alimentos. 2. ed. São Paulo: Varela, 1998.

Gracey, M. Environmental Contamination, Diarrhea, and Foodborne Disease. In: 44th Nestlé Nutrition Workshop. Risk Assessment in the Food Chain of Children. Nestlé Nutrition Services; 2000; Philadelphia, Pennsylvania, USA. Philadelphia-USA: Lippincott Williams & Wilkins; 2000. p. 179-208.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cadernos da Escola de Saúde. ISSN Eletrônico: 1984-7041.