A INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO DE ALTA INTENSIDADE NOS NÍVEIS DE CORTISOL – PARÂMETROS FISIOLÓGICOS.

Isabela Richardz Pauli, Bárbara Tagata, Sérgio Andrade, Camila Marques

Resumo


O cortisol é um hormônio corticosteroide regulado pelo hormônio adenohipofisário adrenocorticotrófico (ACTH), possui ação catabólica, anti-inflamatória, reguladora do metabolismo lipídico e glicolítico e tem sua secreção aumentada em situações estressantes. O exercício físico é considerado um agente estressor que tira o organismo de sua homeostase. Um treinamento intenso, composto de cargas elevadas com descanso inadequado, por exemplo, pode levar o atleta a desenvolver a síndrome do overtraining. Este é um processo que ocorre em decorrência de variáveis de carga e descanso mal manipuladas, ocasionando em uma queda do desempenho físico. Logo, a manutenção adequada das variáveis de carga tem papel essencial para a melhora da performance e das capacidades físicas do indivíduo. Portanto, é de extrema importância entender a relação dos sistemas fisiológicos durante a atividade física e, em especial, neste estudo, o envolvimento do sistema endócrino em exercícios de alta intensidade. Para isso, este trabalho teve como objetivo analisar a relação entre o exercício de alta intensidade e os níveis de cortisol no organismo, buscando determinar a utilidade dessa relação como um possível marcador de carga e desempenho do treinamento. Esta pesquisa possui caráter qualitativo, onde foi realizada uma revisão de literatura através de levantamentos bibliográficos, através das bases de dados Scielo, PubMed e Science Direct e também livros relacionados a pesquisas no campo das ciências biológicas e saúde. Após o levantamento dos dados foram encontrados 14 artigos que se enquadraram nos critérios para inclusão nesta presente revisão. Pôde-se constatar que exercício de alta intensidade exerce grande influência sobre a secreção de cortisol, tornando este, um hormônio útil para monitorar o equilíbrio entre as sessões de treinamento. Porém, tratando-se do Cortisol como indicador de overtraining, ainda são necessários mais estudos sobre a temática para que exista essa confirmação.

 


Referências


Cunha G, Ribeiro J, Oliveira A. Sobretreinamento: teorias, diagnóstico e marcadores. Rev Bras Med Esporte. 2006; 12(5): 297-302.

Tian Y, He Z, Zhao J, Tao D, Xu K, Midgley A, McNaughton L. An 8-Year Longitudinal Study of Overreaching in 114 Elite Female Chinese Wrestlers. Journal of Athletic Training. 2015; 50(2): 217–223.

Cadegiani F, Kater C. Hormonal Aspects of Overtraining Syndrome: A Systematic Review. BMC Sports Science, Medicine and Rehabilitation. 2017; 9(14): 102-117.

Junior M, Martins L. Efeitos do excesso de treinamento em atletas de rúgbi: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de prescrição e fisiologia do exercício. 2006; 10(62): 798-805.

Myrick K. Overtraining and Overreaching Syndrome in Athletes. The Journal for Nourse Practitioners. 2015; 11(10): 1018-1022.

Drain J, Groeller H, Burley S, Nindl B. Hormonal response patterns are differentially influenced by physical conditioning programs during basic military training. Journal of Science and Medicine in Sport. 2017; 20(5): 98-103.

Moreno C, Liberali R, Navarraro F. Obesidade e exercício físico: Os benefícios do exercício intermitente de alta intensidade no processo de emagrecimento. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 2009; 3(16): 298-204.

Guyton A, Hall J. Tratato de fisiologia médica. 10º edição. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S.A; 2002.

Casanova N, Oliveira A, Reis V, Serra N, Costa A. Respostas hormonais da testosterona e do cortisol em contexto competitivo: uma revisão sistemática. Motricidade. 2016; 11(4): 151-162.

Michailidis Y. Stress hormonal analysis in elite soccer players during a season. Journal of Sport and Health Science. 2014; 3(4): 279-283.

França S, Neto, T, Agresta M, Lotufo R, Kater C. Resposta divergente da testosterona e do cortisol séricos em atletas masculinos após uma corrida de maratona. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia. 2006; 50(6): 1082-1087.

Cordova A, Navas J. Os radicais livres e o dano muscular produzido pelo exercício: papel dos antioxidantes. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2000; 6(5): 204-208.

Gentil, P. Bases cientificas do treinamento de hipertrofia. Rio de Janeiro: Editora Sprint LTDA: 2005.

Nassib S, Moalla W, Hammoudi-Nassib S, Chtara M, Hachana Y, Tabka Z, Chamari K, Ellomi M. The IGF-1/cortisol ratio as a useful marker for monitoring training in young boxers. Biology of Sport. 2016; 33(1): 15-22.

Santana P. Relação cortisol/testosterona em atletas de futebol: Uma revisão sistemática. Revista Brasileira de futebol e futsal. 2015; 7(26): 435-440.

Denzin K, Lincoln S. O Planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed. 2005.

Creswell J. Projeto de pesquisa. Porto Alegre: Artmed. 2007.

Coelho D et. al. Analysis of chronic physiological demand of an annual soccer season. Brazilian Journal of Kinanthropometry and Human Performance. 2015; 21(2): 158-167.

Rocha R, Nunes E, Venera G. Selective loads periodization attenuates biochemical disturbances and enhances performance in female futsal players during competitive season. Motriz. 2015; 21(2): 158-167.

Arruda A, Moreira A, Nunes J, Viveiros L, Junior D, Aoki M. Monitoramento do nível de estresse de atletas da seleção brasileira de basquete feminino durante a preparação para a copa américa 2009. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2013; 19(1): 44-47

Ackel-D’Elia C, Vancini R, Castelo A, Nouailhetas V, Silva A. Absence of the predisposing factors and signs and symptoms usually associated with overreaching and overtraining in physical fitness centers. Clinics. 2010; 65(11): 1161-1166.

Fernandez-Garcia B et. al. The response of sexual and stress hormones of male Pro-cyclists during continuous intense competition. Int J Sports Med. 2002; 23: 555-560.

Uchida M, Aoki M, Navarro F, Tessutti V, Bacurau R. Efeitos de diferentes protocolos de treinamento de força sobre parâmetros morfofuncionais hormonais e imunológicos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2006; 23(1): 21-26.

Majumdar P, Srividhya S. Monitoring Training Load in Indian Male Swimmers. Internarional Journal Of Exercise Science. 2015; 3(3): 102-107.

Mangine G et. al. The effect of training volume and intensity on improvements in muscular strength and size in resistance-trained men. Physiological Reports. 2015; 3(8).

Puggina E, Filho H, Machado D, Barbanti V. Efeitos do treinamento e de uma prova de triathlon em indicadores de lesão muscular e inflamação. Revista Brasileira de Ciencias do Esporte. 2016; 28(2): 115-123.

Uchida M et. al. Alteração da relação testosterona:cortisol induzida pelo treinamento de força em mulheres. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2004; 10(3): 165-168.

Zago S. Alterações metabólicas hormonais e imunológicas induzidas pelo exercício agudo intermitente em diferentes estágios do treinamento em natação. Escola Paulista de Medicina, 2009. Dissertação de Mestrado em Fisiologia do Exercício.

Sheykhlouvand, M, Khalili, E, Agha-Alinejad, H, Gharaat, M. Hormonal and physiological adaptations to high-intensity interval training in professional male canoe polo athletes. J Strength Cond Res. 2016; 30(3): 859–866.

Farzad, B, Gharakhanlou, R, Agha-Alinejad, H, Curby, G, Bayati, M, Bahraminejad, M, Mäestu, J. Physiological and performance changes from the addition of a sprint-interval program to wrestling training. J Strength Cond Res. 2011; 25(9): 2392-2399.

Herbert P, Hayes L, Sculthorpe N, Grace F. HIIT produces increases in muscle power and free testosterone in male masters athletes. Endocrine connections. 2017; 6(7): 430-439.

Lun-Lee C, Chieh-Hsu W, Feng-Cheng C. Physiological Adaptations to Sprint Interval Training with Matched Exercise Volume. Medicine & Science in Sports & Exercise. 2017; 49(1): 86-95.

Kraemer W et. al. Training responses of plasma beta-endorphin, adrenocorticotropin, and cortisol. American College of Sports Medicine. 1989; 21(2): 146-153.

Makras P et. al. Effect of 4 weeks of basic military training on peripheral blood leucocytes and urinary excretion of catecholamines and cortisol. Journal of Sports Sciences. 2007; 23(8): 825-834.

Nindl B, Barnes B, Alemany J, Frykman P, Shippee E, Friedl K. Physiological Consequences of U.S. Army Ranger Training. Medicine & Science in sports & exercise. 2007; 39(8): 1380-1387.

Silva F, Macedo D. Exercício físico, processo inflamatório e adaptação: uma visão geral. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. 2011; 13(4): 320-328.

Tanskanen M et. al. Serum Sex Hormone Binding Globulin and Cortisol. Journal of Strenght and Conditioning Research. 2011; 25(3): 787-797.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cadernos da Escola de Saúde. ISSN Eletrônico: 1984-7041.