ESTUDO DA PROTEÍNA C REATIVA COMO BIOMARCADOR EM UMA FAMÍLIA COM HISTÓRICO DE INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

Milena Perin, Regiane Stafim da Cunha, Rayana Ariane Pereira Maciel

Resumo


A Proteína C reativa (PCR) é um biomarcador de inflamação que é utilizado como preditor de doenças cardiovasculares, tal como o infarto agudo do miocárdio (IAM). O objetivo do estudo foi mensurar os níveis de PCR de alta sensibilidade (PCR-US) em soro de indivíduos de uma mesma família (consanguíneos) com histórico de 5 indivíduos falecidos por IAM, e correlacioná-los com alguns fatores de risco dessa doença. Foram selecionados 30 indivíduos dessa família, com idades entre 14 e 60 anos. Não houve uma correlação significativa entre fatores de risco associados ao IAM, como dores no peito, tabagismo, consumo de bebidas alcoólicas e práticas de atividade física e os valores de PCR, embora em alguns resultados observou-se uma linha de tendência crescente. Sugere-se que esses níveis de PCR estejam relacionados à fatores não avaliados, como os fatores genéticos.


Referências


Santos, W. B. et al. Proteína-C-Reativa e Doença Cardiovascular. As Bases da Evidência Científica. Arq. Bras. Cardiol., v. 80, n.4, 2003.

Weber, C.; Noels, H. Atherosclerosis: current pathogenesis and therapeutic options. Nature Medicine, v. 17, n. 11, p. 1410–1422, 2011.

Wang, C., et al. A novel cultured tissue model of rat aorta: VSMC proliferation mechanism in relationship to atherosclerosis. Experimental and Molecular Pathology, v. 83, p. 453–458, 2007.

Denardi, C. A. S., et al. A Proteína C-Reativa na Atualidade. Rev SOCERJ, v. 21, n. 5, p. 329–334, 2008.

Resende, L. M. H., et. al. Protocolos clínicos dos exames laboratoriais. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, 2009.

Lima, L. M., et al. High-sensitivity C-reactive protein in patients with angiographically defined coronary artery disease. J Bras Patol Med Lab, v. 43, n. 2, p. 83–86, 2007.

Lameu, E. B. et al. Muscular Catabolism in Patients with Acute Myocardial Infarction. Rev SOCERJ, v. 18, n. 2, p. 137–140, 2005.

Stipp, M. A. C. et al. O consumo do álcool e as doenças cardiovasculares – uma análise sob o olhar da enfermagem. Esc. Anna Nery, v. 11, n. 4, p. 581–585, 2007.

Pesaro, A. E. P. Infarto agudo do miocárdio - síndrome coronariana aguda com supradesnível do segmento ST. Rev Assoc Med Bras., v. 2, n. 50, p. 214–220, 2004.

Andrade, J. P. et al. IV Diretrizes sobre Tratamento do Infarto Agudo do Miocárdio com Supradesnível do Segmento ST. Arq Bras Cardiol, 93(6 supl.2), p. e179–e264, 2009.

Lusis, A. J. Atherosclerosis. Nature, v. 407, n. 6801, p. 233–41, 2000.

Piegas, L., et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia: III Diretriz sobre tratamento do infarto agudo do miocárdio. Arq. Bras. Cardiol., v.83, n.4, p. 1–87, 2004.

Ranthe, M. F. et al. A Detailed Family History of Myocardial Infarction and Risk of Myocardial Infarction – A Nationwide Cohort Study. PLoS One, v. 10, n. 5, p. e0125896, 2015.

Malik, M. A. et al. Chest Pain as a presenting complaint in patients with acute myocardial infarction (AMI). Pak J Med Sci, v. 29, n. 2, p. 565–568, 2013.

Bazzano, L.A. et al. Relationship between Cigarette Smoking and Novel Risk Factors for Cardiovascular Disease in the United States. Ann Intern Med, v. 138, n. 11, p. 891–897, 2003.

Moraes, A.S. et al. Diabetes mellitus e doença isquêmica do coração. Comparação por sexo. Arq Bras Cardiol, v. 66, n. 2, p. 59–63, 1996.

AMODEO, C.; LIMA, N. K. da C. Tratamento não medicamentoso da hipertensão arterial. Medicina, Ribeirão Preto, v. 29, n. 2/3, p. 239–243, 1996.

Oliveira, K. C. S. de. Fatores de risco em pacientes com infarto agudo do miocárdio em um hospital privado de Ribeirão Preto – SP. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Ribeirão Preto, 2004.

Stranges, S. et al. Relationship of alcohol drink pattern to risk of hypertension: a Population based-study. Hypertension, v. 44, p. 813-819, 2004.

Noblat, A.C.B. et al. Complicações da hipertensão arterial em homens e mulheres atendidos em um ambulatório de referência. Arq. Bras. Cardiol., v. 83, n. 4, p. 308–313, 2004.

Gus, I. et al. Prevalência dos fatores de risco da doença arterial coronariana no Estado do Rio Grande do Sul. Arq. Bras. Cardiol., v. 78, n. 5, p. 478–83, 2002.

Silva, M. A. D. et al. Fatores de risco para infarto do miocárdio no Brasil: estudo FRICAS. Arq. Bras. Cardiol., v. 71, n. 5, p. 667–675, 1998.

Siegerink, B. et al. Genetic variants of coagulation factor XIII and the risk of myocardial infarction in young women. British Journal of Haematology, n. 146, v. 4, p. 456–464, 2009.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cadernos da Escola de Saúde. ISSN Eletrônico: 1984-7041.