PESQUISA DE AFLATOXINAS E FUNGOS TOXIGÊNICOS EM AMENDOINS COMERCIALIZADOS EM CURITIBA/PR E REGIÃO METROPOLITANA

Brendha Soares Pereira, Danielle Arnold, Rebeca dos Santos Mendes, Bruna Straub Calegari, Camila Veronica Smiguel, Jannaina Ferreira de Melo Vasco, Luiza Souza Rodrigues

Resumo


O amendoim é uma oleaginosa com grande valor nutricional e amplamente utilizado na fabricação de produtos na indústria alimentícia, sendo também um ótimo substrato para desenvolvimento de fungos toxigênicos. As micotoxinas são metabólitos secundários tóxicos produzidos por fungos toxigênicos durante a deterioração do alimento, capazes de ocasionar danos à saúde humana e de outros animais quando ingeridas. O presente trabalho teve por objetivo avaliar a presença de aflatoxinas B1, B2, G1 e G2 e de fungos toxigênicos em amendoins comercializados a granel na cidade de Curitiba-PR e região metropolitana, Brasil. Realizou-se um estudo experimental qualitativo prospectivo, com 10 amostras de amendoins crus analisados em duplicata quanto a presença de aflatoxinas e de fungos toxigênicos. Para a pesquisa de aflatoxinas, foi utilizado o kit AflaCheck® e para a pesquisa de fungos toxigênicos, cultura em ágar sabouraud. Não foram detectadas aflatoxinas a partir de 10 ppb nas amostras avaliadas, em contrapartida foram detectados fungos potencialmente toxigênicos dos gêneros Rhizopus sp., Aspergillus sp., e Penicillium sp. em oito das 10 amostras incluídas no estudo. Embora não tenha sido detectada a presença de micotoxinas nos amendoins avaliados no estudo, a presença de fungos potencialmente toxigênicos ressalta a importância de os consumidores armazenarem este produto em tempo e condições adequados, após sua aquisição, a fim de minimizar a proliferação desses microrganismos e possíveis riscos à saúde humana.


Referências


Imamura KB, Toni JCV, Giannoni JA. Ocorrência de aflatoxinas no amendoim (Arachis hypogaea L) beneficiado no estado de São Paulo. Revista Analytica. 2015; 1(75):49-57.

De Almeida BB, De Castro GSF, Junior AAJ, Chaparro LC, Ribeiro LW. Projeto O Amendoim e a Saúde: Fatos e Mitos. NutriRP. 2011; 1-42.

Ferreira MC, De Freitas DF, Moreira EA. Identificação de aflatoxinas em paçocas de amendoim comercializadas na cidade de Lavras-MG. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada. 2014; 4(35):717-722.

Oliveira LSF, Koller FFC. Ocorrência de Aspergillus spp. e aflatoxinas em amostras de amendoim in natura e paçocas. Revista de Ciências Ambientais. 2011; 5(1):57-68.

Facca M, Dalzoto P. Aflatoxinas: um perfil da situação do amendoim e derivados no cenário brasileiro. Biológico. 2010; 72(1):25-29.

Pereira KC, Santos CF. Micotoxinas e seu potencial carcinogênico. Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde. 2011; 15(4):1-19.

Mutegi CK, Ngugi HK, Hendriks SL, Jones RB. Factors associated with the incidence of Aspergillus section Flavi and aflatoxin contamination of peanuts in the Busia and Homa bay districts of western Kenya. Plant Pathology. 2012; 61(1):1143-1153.

Silva RA, Yamamoto IT, Ferreira LO, Marques LRM. Detecção e quantificação de aflatoxinas em amostras de grãos de amendoins e derivados comercializados na região de Marília– SP, 2002-2009. Alim Nutr= Braz J Food Nutr. 2013; 24(1):61-64.

Kwiatkowski A, Alves APF. Importância da detecção e do controle de aflatoxinas em alimentos. Grupo Integrado. 2007; 2(2):45-54.

De Oliveira AV, Del Prado CCN, Modesto NG, Lucena G. Detecção molecular de fungos com potencial toxigênico em amostras de amendoim vendidas no comércio varejista de Maringá/PR, Brasil. Biotemas. 2015; 28(1):14-19.

Sacramento TR. Importância da Contaminação de Alimentos por Aflatoxinas para a Incidência de Câncer Hepático. Revista Ciências Exatas e Naturais. 2016; 18(1):142-169.

Maziero MT, Bersot LS. Micotoxinas em alimentos produzidos no Brasil. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais. 2010; 12(1):89-99.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 7, de 18 de Fevereiro de 2011. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Aprova o Regulamento Técnico sobre limites máximos de micotoxinas em alimentos. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF. 22 de Fevereiro de 2011. Sec I.

Trabulsi LR, Alterthum F. Microbiologia. 5th ed. São Paulo: Atheneu; 2008.

Antunes NC, Freitas RF, Royo VA. Determinação da presença de aflatoxinas em amostras de paçocas comercializadas em Montes Claros-MG. Conexão ci: r cient. 2014; 9(2):38-47.

De Moraes AML, Paes RA, De Holanda VL. Conceitos e Métodos para a Formação de Profissionais em Laboratórios de Saúde. 4th ed. Rio de Janeiro: IOC; 2009. p. 4.

VICAM, Manual. Aflacheck. 2016. Disponível em: http://www.vicam.com.pt/aflatoxin-test-kits/aflacheck.

Da Silva AFL, Brígido KWS, Flister KFT, Polisel CG, Sousa WR, Alves CMS. Aflatoxinas em amendoins comercializados no município de Bacabal-MA. Revista Científica do ITPAC. 2017; 10(2):90-95.

Brasil. Ministério da Saúde. Detecção e Identificação dos Fungos de Importância Médica. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Módulo VII, 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 34 de 1976 da CNNPA (Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos). Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolve fixar para os alimentos, tolerância de 30 ppb (trinta partes por bilhão) para as Aflatoxinas, calculada pela soma dos conteúdos das aflatoxinas B1e G1. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF. 19 de janeiro de 1977. Sec. I.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 274 de 15 de outubro de 2002. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Aprova o Regulamento Técnico sobre limites máximos de aflatoxinas no leite, amendoim e milho. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF. 16 de outubro de 2002. Sec I.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa nº 32, de 24 de agosto de 2016. Diário Oficial da União, 25 agos 2016.

Shundo L, Navas SA, Ruvieri V, Alaburda J, Lamardo LCA, Sabino M. Aflatoxinas em amendoim: melhoria da qualidade e programas de controle. Rev Inst Adolfo Lutz. 2010; 69(4):567-570.

Soares H. Aflatoxinas em amendoim estão sob controle: dados divulgados em 2013 [internet]. Food Safety Brazil. 2013 [acesso 2016 Nov 4]. Disponível em: http://foodsafetybrazil.org/aflatoxinas-no-amendoim-dados-2013/

Anvisa. Lote do alimento Paçoca Dicel é interditado. Santa Maria/RS: Ascom/Anvisa [internet]. 2017 [acesso 2017 Nov 17]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/lote-do-alimento-pacoca-dicel-e-interditado/219201/pop_up?inheritRedirect=false

Kew MC. Aflatoxins as a Cause of Hepatocellular Carcinoma. J Gastrointestin Liver Dis. 2013; 22(3):305-310.

Iamanaka BT, Oliveira IS, Taniwaki MH. Micotoxinas em alimentos. Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica. 2010; 7:138-161.

Kabbashi EBM, Elnour MA, Ahmed SH. Aflatoxins in roasted peanut in Khartoum a hidden and notorious risk to children. Food Biology. 2017; 6:7-10.

Soares C, Abrunhosa L, Venâncio A. Fungos produtores de micotoxinas. Magazine da SPM. 2013; 2(30.07b):1-6.

Bonifácio TZ, Martinelli TCA, Marmitt BG, Romão NF, Sobral FOS. Avaliação da contaminação fúngica em amendoim comercializado a granel no município de JI-Paraná/RO. South American Journal of Basic Education, Technical an technological. 2015; 2(1):17-29.

Ferreira IC, Barros RAM, Fortuna JL. Fungos potencialmente toxigênicos em amostras de amendoim disponível para o consumo humano. Higiene Alimentar. 2017; 31:266-267.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cadernos da Escola de Saúde. ISSN Eletrônico: 1984-7041.