A INFLUÊNCIA DA RELAÇÃO FAMILIAR NA VIDA DO DEPENDENTE QUÍMICO

Yasmin Santos Aquino, Lucas Santos de Souza, Aquicelio Antonio de Oliveira Junior, Pedro Guilherme Basso Machado

Resumo


O presente artigo teve como objetivo identificar fatores no âmbito familiar que podem influenciar na vida do dependente químico. O método de coleta de dados utilizado neste estudo foi o de revisão de literatura, descritiva e com análise de dados qualitativa. A dependência química é entendida como um conjunto de características e comportamentos que estabelecem relações de contingências reforçadoras e não apenas entendida como uma doença psiquiátrica como afirma a Organização Mundial da Saúde (2002). A Análise do Comportamento visa compreender o indivíduo por meio de sua relação com o meio no qual está inserido, buscando-se compreender a função de determinados comportamentos e de que formas eles são reforçados, assim aumentando a probabilidade de ocorrência dos mesmos. Nos resultados encontrados foi possível identificar aspectos familiares envolvidos no comportamento do dependente químico. Identificaram-se através dos fatores de risco que a família tem grande influência sobre os comportamentos de recaída do dependente químico em situações como, falta de apoio afetivo e emocional, dificuldade na comunicação, regras não estabelecidas, etc. Essa estrutura familiar também um fator de proteção quando estabelece boa comunicação e vínculo consistente promovendo novas habilidades para que o dependente não volte ao consumo, possibilitando o desenvolvimento de um novo repertório de habilidades. Destaca-se que a família participa invariavelmente no tratamento do dependente químico, seja como fator de risco ou de proteção). Identificaram-se limitações na literatura pesquisada que abordassem as possíveis contribuições da família na vida do dependente pois, muitos referenciais apenas justificam o comportamento do dependente como aversivos para a família. Como considerações finais, sugere-se maiores estudos em relação ao tema, com o objetivo de ampliar e incluir diferentes conceitos relevantes para a compreensão da família na vida do dependente químico. Constata-se, porém, que o objetivo do presente estudo foi atingido, sendo possível identificar qual é a influência da família na vida do dependente químico sob a perspectiva da Análise do Comportamento.


Referências


Martins, E. R. C.; Correa, A. K. Lidar com substâncias psicoativas: o significado para o trabalhador de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. v. 12, n. spe, p. 398-405, 2004. Disponível em: . Acesso: 23 de setembro de 2018.

Pratta E. M. M.; Santos M. A. O processo saúde-doença e a dependência química: interfaces e evolução. Psic.: Teor. e Pesq. v.25, n.2, p.203-211, 2009. Disponível em: . Acesso em: 23 de setembro de 2018.

Perrenoud, O. L.; Ribeiro, M. Etiologia dos transtornos relacionados ao uso de substâncias psicoativas. In: A. Diehl, D. Cordeiro e R. Laranjeira (Orgs.). Dependência química: Prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre: Artmed, 2011. p.35-46.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS) – Relatório Mundial da Saúde. Saúde mental: nova concepção, nova esperança. 1ª edição, Lisboa, 2002. Disponível em:. Acesso em: 20 de setembro de 2018.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais - DSM-V. 5ª Edição. Porto Alegre: Artes Médicas. 2014.

Silva, C. J. Critérios diagnósticos e classificação. In: A. DIEHL, D. CORDEIRO e R. LARANJEIRA (Orgs.). Dependência química: Prevenção, tratamento e políticas públicas. 2ª ed. Porto Alegre. Artmed, 2018. p.66-82.

Rigotto, S. D., Gomes, W. B. Contextos de abstinência e de recaída na recuperação da dependência química. Psic. Teor. e Pesq. v.18, n.1, p.95-106, 2002. Disponível em: . Acesso em: 23 de setembro de 2018.

Silva M.L.; Guimarães C. F.; Salles D. B. Fatores de risco e proteção à recaída na percepção de usuários de substâncias psicoativas. Rev. Rene, v.15 n. 6, p. 1007-1015, 2014. Disponível em: Acesso em: 20 de setembro de 2018.

Schenker, M.; Minayo, M. A importância da família no tratamento do uso abusivo de drogas: uma revisão da literatura. Cad. Saúde Pública, v.20, n.3, p. 299-306, 2004. Disponível em: . Acesso em: 20 de setembro de 2018.

Paz, F. M.; Colossi, P. M. Aspectos da dinâmica da família com dependência química. Estudos de Psicologia, v.18 n.4, p. 551-558, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/epsic/v18n4/a02v18n4.pdf. Acesso em: 20 de setembro de 2018.

Payá, R.; Figlie, N. B. Abordagem familiar em dependência química. In: N. B. Figlie; S. Bordin E R. Laranjeira (Orgs.). Aconselhamento em Dependência Química. 2. Ed. São Paulo: Roca, 2004. p. 339-358.

Skinner, B. F. Ciência e comportamento humano. 11º. ed. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora, 1979/2003.

Todorov, J. C. A Psicologia como o estudo de interações. Psic.: Teor. e Pesq. v. 23, n. spe, p. 57-61, 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 de setembro de 2018.

Moreira, M. B.; Medeiros, C. A. Princípios básicos de Análise do Comportamento. Porto Alegre: Artmed, 2007.

Britto, I. A. G. S.; Brito A. L. G. S.; Alves, J. C.; Souza, N. R. Sobre o comportamento de consumir e depender de substâncias. Revista de Teologia da Faculdade v. 4 n. 1, p.1-14, 2012. Disponível em: Acesso em: 23 de setembro de 2018.

Junqueira, S. S.; Silva, R. S. Abordagem familiar no tratamento da dependência química: uma revisão de literatura. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – FURG. Trabalho de conclusão de curso de pós-graduação em dependência química. 2014. Disponível em: Acesso em: 20 de setembro de 2018.

Azevedo, C. S.; Silva, R. S. A importância da família no tratamento do dependente químico. Encontro. Revista de Psicologia. v. 16. n. 25, p. 151-162, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 de setembro de 2018.

Sidman, M. Coerção e suas implicações. Tradução de M. A. Andery; T. M. Sério. Campinas. Editorial Psy, 1995.

Orth, A. P. S.; Moré, C. L. O. O. Funcionamento de famílias com membros dependentes de substâncias psicoativas. Psicol. Argum., v. 26, n. 55, p. 293-303, 2008. Disponível em: . Acesso em: 21 de setembro de 2018.

Negrão, B. K.; Cordeiro, Q.; Filho, H. P. V. Genética da dependência química. In: A. Diehl, D. Cordeiro E R. Laranjeira (Orgs.). Dependência química: Prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre: Artmed, 2011. p. 59-66.

Hermeto, E. M. C.; Sampaio, J. J. C.; Carneiro, C. Abandono do uso de drogas ilícitas por adolescente: importância do suporte familiar. Rev. Baiana Saúde Pública Miolo, v. 34, n. 3, p.639-652, 2010. Disponível em: Acesso em: 20 de setembro de 2018.

Fleury, M. L. Família e Dependência Química: uma relação delicada. Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica – Pontifica Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010.

Crauss, R. M. G; Abaid, J. L. W. A dependência química e o tratamento de desintoxicação hospitalar na fala dos usuários. Contextos Clínicos, v. 5, n. 1, p. 62-72, 2012. Disponível em . acessos em: 21 de setembro de 2018.

Laranjeira, R.; Romano, M. Consenso brasileiro sobre políticas públicas do álcool. Rev. Bras. Psiquiatr., v. 26, supl. 1, p. 68-77, 2004. Disponível em: . Acesso em: 20 de setembro de 2018.

Amor Exigente. Sobre o amor exigente. 2018. Disponível em: Acesso em: 25 de setembro de 2018.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cadernos da Escola de Saúde. ISSN Eletrônico: 1984-7041.