PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS E DOENÇAS CRÔNICAS TRANSMISSÍVEIS/INFECCIOSAS NA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

  • Gabriela Olba Couto Centro Universitário Autônomo do Brasil - UNIBRASIL
  • Edilceia Domingues do Amaral Ravazzani
  • Karin Cristina Erhardt Centro Universitário Autônomo do Brasil - UNIBRASIL
  • Daniele Janzen Centro Universitário Autônomo do Brasil - UNIBRASIL
  • Leticia Clebsch Centro Universitário Autônomo do Brasil - UNIBRASIL
  • Marina Lis Stelmack Centro Universitário Autônomo do Brasil - UNIBRASIL
  • Ursula Aline Eigenstuhler Centro Universitário Autônomo do Brasil - UNIBRASIL
Palavras-chave: AIDS, câncer, hepatite, epidemiologia, DCNT, nordeste,

Resumo

As doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) são de origem multifatorial e que se desenvolvem ao longo da vida já as doenças transmissíveis (DT)são doenças causadas por vírus ou parasitas. As DCNT vem crescendo em todas as regiões do Brasil, e as principais apontadas atualmente são as doenças cardiovasculares, diabetes e câncer. Quanto as DT, a AIDS, Hepatite Viral e Meningite tem sido as mais preocupantes a nível de saúde pública.Este trabalho apresenta como objetivo realizar uma pesquisa para levantamento de dados epidemiológicos focando na região Nordeste do Brasil, para observação do índice de prevalência e incidência dessas doenças em dias atuais.Para realização da pesquisa foram utilizados sites de busca, artigos e boletins epidemiológicos através das palavras-chave: nordeste, AIDS, diabetes, epidemiologia, câncer, hepatite, dados, meningite, cardiovascular, DCNT, DT.Como resultado da pesquisa foi possívelobservar o crescimento no índice de DCNT e DT na região Nordeste do Brasil. A proporção de Hepatite Viral de 1999 até 2017 notificados no Nordeste foi de: 30,6% para hepatite A; 9,7% para hepatite B e 6% para hepatite C. A região nordeste ficou em segundo lugar de maior registro de casos de meningite totalizando 19,9%. O Nordeste tem sido apontado como responsável por 17% dos casos de infecção pelo HIV no Brasil e 94.434 casos de AIDS. A prevalência de diabetes, no período analisado, foi de 74%. Os casos de câncer no Brasil aumentam em aproximadamente 600 mil casos por ano, com prevalência de câncer de próstata em homens e câncer de mama em mulheres no Nordeste. O risco de morte por doenças cardiovasculares para cada 100 mil habitantes no Nordeste chegou a 357 em 2012.Conclui-se queos dados epidemiológicos são ferramentas de extrema importância para profissionais da saúde, para auxílio na prevenção e no desenvolvimento de condutas para o tratamento das doenças. Apesar disso materiais com dados atuais sobre DCNT e DCT ainda são escassos para a região do Nordeste Brasileiro.

Publicado
2020-01-22
Seção
Nutrição

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)