DESENVOLVIMENTO DE ÍCONES PARA COMUNICAÇÃO DURANTE ATENDIMENTO FISIOTERAPEUTICO COM DEFICIENTES AUDITIVOS

  • Gabriela de Moraes Cicarello UniBrasil
  • Vanessa Telles Barbosa UniBrasil
  • Danieli Isabel Romanovitch Ribas UniBrasil
Palavras-chave: deficiência auditiva; fisioterapia; facilitação; comunicação.

Resumo

Introdução: A deficiência auditiva caracteriza- se pela perda parcial ou total da audição, podendo ser causada por traumas, infecções nervosas ou estar presente ao nascimento.  As relações de inclusão entre deficientes auditivos e os sistemas de saúde apresentam - se como desafiadoras em relação aos atendimentos tanto em iniciativas públicas como em privadas, onde a dificuldade de comunicação entre paciente e profissional torna-se a principal barreira. Justificativa:  considerando a dificuldade de comunicação, durante a abordagem fisioterapêutica, entre  profissionais, acadêmicos de fisioterapia e o deficiente auditivo, verifica-se que a elaboração de uma prancha de comunicação, constituída por ícones,  torna-se um meio facilitador e viável de comunicação durante os atendimentos ambulatoriais fisioterapêuticos, proporcionando melhor compreensão por parte dos profissionais e deficientes auditivos. Objetivos: Desenvolver uma prancha de comunicação, como meio facilitador de comunicação durante o atendimento fisioterapêutico. Método: foi realizada a produção de uma prancha de comunicação e orientações para profissionais e acadêmicos de fisioterapia para atendimentos em ambiente ambulatorial de deficientes auditivos, a partir da coleta de comandos utilizados por estagiários de uma clínica escola de uma Instituição de ensino superior privada, na cidade de Curitiba/Pr. Foram acompanhados 20 atendimentos de fisioterapia e selecionados os comandos verbais mais utilizados durante o atendimento fisioterapêutico, os quais foram transformados em ícones. Os comandos foram fotografados e editados, por meio, do Photofile Studio X e Adobe Photoshop CS5. Para a organização do conteúdo e elaboração da prancha foi utilizado o aplicativo Canva. Resultados: A prancha foi dividida nos seguintes tópicos: 1. Introdução (abordagem da necessidade da preparação dos profissionais para o atendimento de deficientes auditivos); 2. Orientações básica de comunicação com os deficientes auditivos (tom de voz, movimentação dos membros do profissional e postura); 3. Manual de uso (instruções de como utilizar a prancha de comunicação) e 4. Ícones de comunicação de ações (sentar, levantar, decúbitos) e de movimentos articulares (flexão, extensão, abdução adução e rotações). Conclusão: a prancha desenvolvida é uma importante ferramenta de comunicação para uso durante os atendimentos fisioterapêuticos ambulatoriais, por aqueles que não apresentam conhecimento da linguagem de libras. Proporciona facilidade na comunicação entre o fisioterapeuta e o deficiente auditivo, melhorando, desta forma, a explicação dos exercícios e consequentemente otimizando a execução dos mesmos pelo deficiente auditivo, além de, proporcionar a inclusão desta população nos serviços de saúde.  

Referências

ALBUQUERQUE, Ana; SOBRINHO, Jennifer. Dificuldades na comunicação com portadores de deficiência auditiva, 2018.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência. Brasília; 2008. 20. Brasil. Diário Oficial da União. Portaria 2.488 de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: DOU; 2011. 21.
BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional da Atenção Básica (PNAB). Brasília, DF: MS, 2012. Campos GWS. Reflexões temáticas sobre equidade e saúde: o caso do SUS. Saúde e Sociedade 2006; 15(2):23-33
BRITTO, Fernanda da Rocha; SAMPERIZ, Maria Mercedes Fernandez. Dificuldades de comunicação e estratégias utilizadas pelos enfermeiros e sua equipe na assistência ao deficiente auditivo. Einstein (São Paulo), São Paulo , v. 8, n. 1, p. 80-85, Mar. 2010 .
FRIAS, Adrieli Aline da Silva. Inclusão social dos deficientes auditivos: Fundamentos jurídicos e aspectos sociais acerca da acessibilidade dos surdos. 2011.
OHARA, E. C. C.; SAITO, R. X. S. Saúde da família: considerações teóricas e aplicabilidade. 2. ed. São Paulo: Martinari, 2010
OLIVEIRA, Tainara Bispo de. DESAFIOS DOS SURDOS NO ATENDIMENTO NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE: REVISÃO INTEGRATIVA DE LITERATURA, 2019.
Publicado
2021-06-10
Seção
Fisioterapia

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)