OS DESFIOS DA FONOAUDIOLOGIA NO SUS

  • Elis Mara Mendes Ferreira UniBrasil
  • Karin Christina Gonçalves
  • Susana Otília Vilas Boas Favaro
Palavras-chave: Saúde. Fonoaudiólogo. Prevenção.

Resumo

A Fonoaudiologia é uma área da saúde que está inserida no Sistema Único de Saúde (SUS), cuja missão é integrar equipes multidisciplinares para trabalhar a prevenção, diagnóstico e tratamento de diversas patologias relacionadas a comunicação (fala, voz, audição, mastigação, respiração e deglutição). A carência desses profissionais no sistema público de saúde implica em déficits na qualidade de vida da população em geral. Nesse sentido, a pesquisa teve como objetivo expor a importância do fonoaudiólogo no SUS assim como a incidência desses profissionais no programa de prevenção da saúde no sistema único de saúde nacional. Sabe-se que, com intuito de desenvolver políticas públicas voltadas a prevenção de doenças, em setembro de 1990, através da lei orgânica foi instaurado o SUS em todo o território nacional. Mesmo contando com a presença dos profissionais da fonoaudiologia, estudos mostram que, durante a formação acadêmica e profissional, os fonoaudiólogos não adquirem a capacitação e treinamento necessários para realizar de um trabalho preventivo de qualidade na saúde pública, pensando nisso e na necessidade de adaptação a esse cenário, observou-se que novos currículos universitários e de atuação profissional estão processo de adequação visando atuações cada vez melhores no SUS. Além dessas alterações em andamento, observou-se que o Programa Saúde na Família (PSF), concebido pelo ministério da saúde em 1993 e efetivo a partir de 1994, instituiu em 2005 a oferta de residências multiprofissionais em saúde no Brasil, fortalecendo ainda mais a inserção do fonoaudiólogo na rede de atendimento pública. Desse modo, a metodologia empregada no presente estudo é cunho bibliográfico com base nos artigos dispostos na base de dados da Scielo, utilizando-se das palavras-chave: fonoaudiologia; SUS e fonoaudiólogo; no espaço temporal dos últimos cinco anos (2015-2020). Dentre os resultados obtidos, pode-se observar que há uma carência da formação acadêmica desses profissionais. Além disso, nota-se que, apesar do crescimento em número de fonoaudiólogos em todo o território nacional, a distribuição não ocorreu de forma homogênea, destacando-se o aumento significativo nos estados de Sergipe, Piauí e Bahia e leve acréscimo no Espírito Santo, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. Conclui-se que, embora seja possível observar uma má distribuição do trabalho fonoaudiológico no país e a carência da oferta da formação de qualidade em saúde pública, acredita-se que com a possível implementação de cursos de capacitação, treinamentos e congressos em todo o território brasileiro, esse cenário possa ser revertido, trazendo inúmeros benefícios à população que necessita.

Referências

REFERÊNCIAS

De Sousa, Maria de Fátima Silva. DO NASCIMENTO, Cyntia Maria Barbosa. SOUSA, Fabiano de Oliveira Silva. DE LIMA, Maria Luiza Lopes Timóteo. SILVA, Vanessa de Lima. RODRIGUES, Mirella. Evolução da oferta de fonoaudiólogos no SUS e na Atenção primária, no Brasil. Rev. CEFAC. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rcefac/v19n2/1982-0216-rcefac-19-02-00213.pdf. Acesso em: 31 ago. 2020.

MOREIRA, Mirna Dorneles. Mota, Helena Boni. Os caminhos da fonoaudiologia no Sistema Único de Saúde – SUS. Rev. CEFAC. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rcefac/v11n3/a21v11n3.pdf. Acesso em: 31 ago. 2020.

MIRANDA, Gabriella Morais Duarte. MENDES, Antônio da Cruz Gouveia. DA SILVA, Ana Lúcia Andrade. Assistência fonoaudiológica no sus: a ampliação do acesso e o desafio de superação das desigualdades. Rev. CEFAC. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462015000100071. Acesso em: 01 set. 2020.

Publicado
2021-06-11
Seção
Fonoaudiologia