CARACTERIZAÇÕES FENOTÍPICAS DE CEPAS DE Staphylococcus aureus (MRSA) ISOLADOS DE PACIENTES COM FIBROSE CÍSTICA

Larissa Vilas Boas de Oliveira, Adriane Ceschin Maestri, Luiza Souza Rodrigues, Rayana Ariane Pereira Maciel, Nelson Augusto Rosário Filho, Jannaina Ferreira de Melo Vasco

Resumo


Fibrose Cística (FC) é uma doença causada por mutações no gene CFTR (Cystic Fibrosis Tramnsmembrane Condutance Regulator) que resultam em danos nas propriedades viscoelásticas do muco respiratório, favorecendo o desenvolvimento de doença pulmonar supurativa, obstrutiva e progressiva. Em indivíduos com FC, há uma maior prevalência de culturas respiratórias positivas para Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA), que associado com a prejudicada função do trato respiratório, dificulta o tratamento e prognóstico de pacientes com FC. Este trabalho teve como objetivo caracterizar cepas de S. aureus, isoladas de amostras de pacientes com FC através de dois diferentes métodos fenotípicos para identificação de MRSA. Os isolados foram provenientes de amostras do trato respiratório inferior de pacientes acompanhados no Ambulatório de Fibrose Cística do Complexo do Hospital de Clínicas (CHC) - UFPR, durante o período de maio a outubro de 2017. Foram realizadas provas bioquímicas microbiológicas para caracterização de 146 cepas de S. aureus. Para a detecção de MRSA, foram utilizados dois testes fenotípicos: crescimento em Ágar Cromogênico MRSA® e Teste de disco-difusão com Cefoxitina. De 146 cepas analisadas, 37 (25,3%) cresceram no Ágar Cromogênico MRSA® e 12 (8,2%) delas foram resistentes frente ao teste com disco de Cefoxitina. Portanto, houve discordância entre os dois testes realizados de 25 (17,1%) amostras, quando comparados um método com outro.  A identificação apropriada de MRSA colonizador das vias áreas e potencial patógeno é de extrema importância para o início de uma correta antibioticoterapia, pois há riscos que envolvem tratamentos prolongados e uso indiscriminado dessas drogas, como favorer o surgimento de novas estirpes cada vez mais resistentes.


Referências


LUDWING NETO, N. Fibrose Cística Enfoque Multidisciplinar. Secretaria do Estado de Saúde, 2009, 2ºed. Secretaria do Estado de Saúde.

GELLER, D. Aerosol Antibiotics in Cystic Fibrosis. Respiratory Care 2009; 54(5): 658-670.

DALCIN E SILVA. Fibrose Cística no Adulto: Aspectos Diagnósticos e Terapêuticos. Universidade Federal do Rio Grande do Sul 2008; 34(2): 107-117.

KING, BRUNEL AND WARRIS. Aspergillus Infections in Cystic Fibrosis. Jounal of Infection 2016; 72(1): 50-55.

LUTZ, L, D-PARIS, F, VIEIRA, M.I, MARQUES, E.A e BARTH, A.L. Bacteriologia da Fibrose Cística. Hospital de Clínicas de Porto Alegre 2011; 31(2): 168-164.

CASTRO E FIRMIDA. O Tratamento da Fibrose Cística e suas Complicações. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto (UERJ) 2011; 10(4): 82-108.

MARQUES, E. A. Perfil microbiológico na Fibrose Cística. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto (UERJ) 2011; 10(4): 23-35.

WOLTER, D, EMERSON, J.C, McNAMARA, S, BUCCAT, A.M, QIN, S, COCHRANTE, E. et al. Staphylococcus aureus Small-Colony Variants Are Idependently Associated With Worse Lung Disease in Children with Cystic Fibrosis. Oxford University Press 2013; 57(3): 384-391.

GORDON AND LOWY. Pathogenisis of Methicillin-Resistant Staphylococcus aureus Infection. Infections Diseases Society of America 2008; 46(5):350-359.

GOSS AND MUHLEBACH. Review: Staphylococcus aureus and MRSA in Cystic Fibrosis. Journal of Cystic Fibrosis 2011; 10(1): 298-306.

FIRMIDA, MARQUES E COSTA. Fisiopatologia e Manifestações Clínicas da Fibrose Cística. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto (UERJ) 2011; 10(4): 47-58.

LYCZAK, CANNON AND PIER. Lung Infections Associated with Cystic Fibrosis. American Society for Microbiology 2002; 45(2): 194-222.

ANZAUDO, BUSQUETS, RONCHI E MAYORAL. Microorganismos Patógenos Aislados en Muestras Respiratorias de Niños com Fibrosis Quística. Revista Argentina de Microbiologia 2005; 37: 129-334.

RAZVI, QUITTELL, SEWALL, QUINTON, MARSHALL AND SAIMAN. Respiratory Microbiology of Patientis with Cystic Fibrosis in the United States, 1995 to 2005. Chest 2009; 136: 1554-60.

ALVAREZ, RIBEIRO, HESSEL, BERTUZZO E RIBEIRO. Fibrose cística em um centro de referência no Brasil: Características Clínicas e Laboratoriais de 104 Pacientes e sua Associação com o Genótipo e a Gravidade da doença. Jornal de Pediatria 2004; 80(5): 371-9.

KH LO, HURLEY, MUHLEBACH AND SMYTH. Interventions for the Eradication of Meticillin-resistant Staphylococcus aureus (MRSA) in People with Cystic Fibrosis. Cochrane Cystic Fibrosis and Genetic Disorders Group 2015; 2(9650): 01-25.

GORDON AND LOWY. Pathogenesis of Methicillin-Resistant Staphylococcus aureus Infection. Clin Infect Dis 2008; 46(5): 350-359.

SOUZA, H. Estudo da Evolução da Colonização Bacteriana na Fibrose Cística com Ênfase em Staphylococcus aureus. Universidade Federal do Paraná (UFPR), 2005: 01-69.

GINDRI, L. Comparação de Metodologias para Detecção da Resistência a Meticilina em Staphylococcus aureus. Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), 2013: 01-52.

SEJAS, SILBERT, REIS E SADER. Avaliação da Qualidade dos Discos com Antimicrobianos para Testes de Disco-difusão Disponíveis Comercialmente no Brasil. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial 2003; 39(1): 27-35.

MIMICA E MENDES. Diagnóstico Laboratorial da Resistência à Oxacilina em Staphylococcus aureus. Bras Patol Med Lab 2007; 43(6): 399-406.

CORDEIRO, M. Caracterização Molecular de Cepas de Staphylococcus aureus Isoladas no Hospital Municipal de Ipatinga-MG. Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), 2011: 01-76.

SOUZA, F. Caracterização Fenotípica e Genotípica de Staphylococcus aureus Resistentes a Meticilina Isolados na Cidade do Natal/RN. Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRGN), 2009: 01-70.

RIBEIRO, SANAVRIA E SCHERER. Estudo Comparativo de Método Cromogênico Chromagar Orientation e Métodos de Cultivo Microbiológicos Convencionais Associados à Otite Externa em Cães Domésticos (Canis familiaris Linaeus, 1758*). Bras Patol Med Lab 2012; 34(4): 265-269.

OLIVEIRA, et al. Utilização de Meio Cromogênico e da Técnica de Semi-Nested PCR para Identificação de Espécies de Candida. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde 2006; 27(2): 125-132.

RIBEIRO, KOGAITO, JUNQUEIRA E JORGE. Isolamento de Candida spp. Com Utilização de Meio de Cultura Cromogênico CHROMagar Candida. Braz Dent Sci, 2009; 12(4): 40-45.

Koneman, Elmer; et al. Diagnostic Microbiology. Lippincott, USA, 6 ed., 2010.

Huang H, Flynn NM, King JH, Monchaud C, Morita M, Cohen SH. Comparisons of community-associated methicillin Resistant Staphylococcus aureus (MRSA) and hospital-associated MRSA infections in Sacramento, California. J Clin Microbiol.2006; 44(1) 2423-27.

CLINICAL AND LABORATORY STANDARDS INSTITUTE (CLSI). Performace Standards for Antimicrobial Susceptibility Testing, M100-S22. Wayne, PA, USA: CLSI, 2012.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cadernos da Escola de Saúde. ISSN Eletrônico: 1984-7041.