ESTADO NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES DE TUCANO E PARIPIRANGA (BA)

  • Igor Brandão Centro Universitário AGES
  • Fábio Carvalho
  • Nidia Miranda
  • Amanda Santana

Resumo

Grande parte das crianças não cumprem as recomendações dietéticas ideais para sua faixa etária, pois consomem alimentos de alta densidade energética, grandes quantidades de gorduras saturadas e sal, e não consomem de maneira adequada os alimentos que irão contribuir para seu crescimento adequado e para evitar o surgimento de diversas patologias. O presente estudo buscou verificar o estado nutricional e o consumo alimentar de crianças de cinco anos, em duas escolas da rede de ensino privada e duas públicas, dos municípios de Tucano e Paripiranga, no estado da Bahia, totalizando 56 crianças. Pôde-se concluir a existência uma maior prevalência de crianças eutróficas. O aleitamento materno não foi um fator determinante para a presença de sobrepeso ou obesidade, e 79.62% das crianças tinham alimentação considerada de qualidade regular ou ruim.

Referências

CEOLIN, P; et al. Avaliação do estado nutricional e hábitos alimentares de pré- escolares e escolares da escola modelo do Centro Universitário Adventista de São Paulo-UNASP. RBONE-Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, v. 2, n. 12, 2008. Disponível em:. Acesso em: 20 de Set. de 2017.

KAUFMANN, C.C; Albernaz, EP. Prevalência e fatores associados ao excesso de peso em crianças de uma coorte no Sul do Brasil. Rev. Ciên Saúde, set./dez. 2013. p. 172-180.

VITOLO, Márcia Regina. Nutrição: da gestação ao envelhecimento. 2º Ed. Rio de Janeiro: Rúbio, 2015.

RAMOS, M.; STEIN, L. M. Desenvolvimento do comportamento alimentar infantil. Jornal de Pediatria - Vol. 76, Supl.3, 2000.

OLIVEIRA, A. S; et al. Hábitos alimentares de pré-escolares: a influência das mães e da amamentação. Alim. Nutr., Araraquara. v. 23, n. 3, p. 377-386, jul./set, 2012.

BIRCH, L. L. Psychological influences on the childhood diet. J. Nutr., v. 128, p. 407S-410S, 1998.

CARVALHO, A. P. et al. Hábitos alimentares e práticas de educação nutricional: atenção a crianças de uma escola municipal de Belo Horizonte, Minas Gerais. Jornal de Pediatria, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 20-27, 2010.

OLIVEIRA A.M; et al. Sobrepeso e obesidade infantil: influência de fatores biológicos e ambientais em Feira de Santana, BA. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2003.

CANO, M. A. T. et al. Estudo do estado nutricional de crianças na idade escolar na cidade de França-SP: Uma introdução ao problema. Revista eletrônica de enfermagem, São Paulo, v. 07, n. 2, p. 179-184, 2005.

OLIVEIRA, T. R. de S; et al. Associação entre o aleitamento materno, introdução alimentar e desenvolvimento neuropsicomotor nos primeiros seis meses de vida. Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, SE, 2017.

SIMON, V.G.N.; SOUZA, J.M.P.; SOUZA, S.B. Aleitamento Materno, Alimentação Complementar, Sobrepeso e Obesidade em Pré-escolares. Rev Saúde Pública, São Paulo, SP, v.43, n.1, p. 60-9, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

RAMIREZ, M. E. C. A importância da amamentação no primeiro semestre de vida: ecos da vivência na unidade conjunto intermediária neonatal. Florianópolis, SC, 2014.

ANGELIN, Paula; et al. Relação entre o aleitamento materno e a obesidade. XXIII Seminário de Iniciação Científica. Unijuí, 2015.

MÜLLER, R.M. et al. Excesso de peso e fatores associados em menores de cinco anos em populações urbanas no Brasil. Rev Bras Epidemiol, Pelotas/RS, p. 285-296, abr/jun, 2014.

ANGELIN, Paula; et al. Relação entre o aleitamento materno e a obesidade. XXIII Seminário de Iniciação Científica. Unijuí, 2015.

TENORIO, A. S; COBAYASHI, F. Obesidade infantil na percepção dos pais. Revista Paulista de Pediatria, vol. 29, núm. 4, diciembre, pp. 634-639. Sociedade de Pediatria de São Paulo. São Paulo, 2011.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Manual de orientação para a alimentação do lactente, do pré-escolar, do escolar, do adolescente e na escola. 3. ed. Rio de Janeiro: SBP, 2012.

CONTE, F. A; Efeitos do consumo de aditivos químicos alimentares na saúde humana Revista espaço acadêmico, n. 181– junho, 2016.

GOES, M. R. Bernardino de. Avaliação da alimentação escolar oferecida aos alunos em creche. 41. f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Nutrição) – Curso de Nutrição, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.

REGO, C.; et al. Obesidade Pediátrica: a doença que ainda não teve direito a ser reconhecida. In 1º Simpósio Português sobre a Obesidade Pediátrica. Grupo de Estudo da Obesidade Pediátrica (GEOP) da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO), p.1-5. 2004.

OLIVEIRA, V. B. Avaliação do consumo alimentar de crianças de 2 a 5 anos de idade pertencentes ao programa bolsa família do município de Canoas/RS/Brasil. Canoas, 2010.

GUEDES, D.P; et al. Impacto de fatores sociodemográficos e comportamentais na prevalência de sobrepeso e obesidade de escolares. Rev Bras Cineantropom Desemp Hum. 2010; 12:221-31.

HASLAM, D. Obesity and diabetes: the links and common approaches. Prim Care Diabetes. 2010;4(2):105-12.

BARBIAN, C. D; et al. Comparação do perfil nutricional, lipídico e glicêmico de crianças e adolescentes de diferentes hemisférios da zona rural de Santa Cruz do Sul – RS. Revista do Departamento de Educação Física e Saúde e do Mestrado em Promoção da Saúde da Universidade de Santa Cruz do Sul / Unisc. Ano 18 – Vol. 18 – Nº 2 - Abril/Junho 2017.

RITO, A. I.; et al. História familiar de diabetes e outras co-morbilidades em crianças portuguesas com excesso de peso e obesidade: COSI Portugal 2013. Instituto_Nacional de Saúde. 2013. Disponível em: http://repositorio.insa.pt/bitstream/10400.18/3694/3/Boletim_.

COSTA, M. J. M.; et al. Excesso de peso e obesidade em pré-escolares e a prática de atividade física. Rev. bras. Cien. e Mov. 2015. p. 70-80.

LEAL. V. S. et al. Excesso de peso em crianças e adolescentes no Estado de Pernambuco, Brasil: prevalência e determinantes. Cad. Saúde Pública 2012. p. 1175-1182.

NASCIMENTO, G.C.V.M; et al. Estado nutricional de escolares da rede de ensino de um município do Vale do Paraíba do Sul (SP). Rev. Ciên. Hum. 2014. p. 87-103.

Publicado
2020-02-11
Seção
Artigo Original