Avaliação da qualidade de comprimidos e cápsulas de atenolol

  • Kauanna Oliveira Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL.
  • Flávia Lada Degaut Pontes Universidade Federal do Paraná
  • Letícia Bonancio Cerqueira Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL.

Resumo

A ampla variedade de medicamentos disponibilizados por laboratórios farmacêuticos e farmácias magistrais está em constante ascensão, justificando a necessidade da garantia da qualidade visando assegurar a efetividade, segurança e qualidade destes medicamentos para a população. No presente estudo foram realizados os ensaios de qualidade: peso médio, identificação, doseamento, friabilidade e dureza para comprimidos genéricos e referência e ensaios de peso médio, identificação e doseamento para cápsulas obtidas em farmácia magistral de Curitiba. Os resultados dos ensaios realizados para os comprimidos demonstraram conformidade com os valores preconizados pela Farmacopeia Brasileira. Entretanto, as cápsulas não apresentaram resultados conformes no teor de doseamento de princípio ativo, apresentando valores abaixo dos resultados preconizados pela Farmacopeia, podendo conduzir a uma baixa efetividade no tratamento farmacológico.

Biografia do Autor

Kauanna Oliveira, Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL.
Discente do curso de Farmácia do Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL.
Flávia Lada Degaut Pontes, Universidade Federal do Paraná

Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular da Universidade Federal do Paraná.

Dra em Ciências Farmacêuticas - Universidade Federal do Paraná

Letícia Bonancio Cerqueira, Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL.

Docente do Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL

Doutoranda em Ciências Farmacêuticas - Universidade Federal do Paraná

Referências

Barata-Silva C, Hauser-Davis RA, Silva ALO, Moreira JC. Desafios ao Controle da Qualidade de Medicamentos no Brasil. Cad. Saúde Colet. 2017; 25(3):362-370.

Lombardo M, Eserian JK. A análise da qualidade de medicamentos e o papel do laboratório oficial no contexto de saúde pública. Rev. Adm. Saúde 2017; 17(67).

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução – RDC nº17, de 16 de Abril de 2010. Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos. Disponível em:< http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/res0017_16_04_2010.pdf/b9a8a293-f04c-45d1-ad4c-19e3e8bee9fa>.

Pinto TJA, Kaneko TM, Pinto AF. Controle Biológico de Qualidade de Produtos Farmacêuticos, Correlatos e Cosméticos. 4.ed. Barueri, SP: Manole; 2015.

Vogler M, Gratieri T, Gelfuso GM, Cunha-Filho MSS. As Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos e Suas Determinantes. Vigil. Sanit. debate 2017; 5(2):34-41.

AMORIM SR, KLIER AH, ANGELIS LH. Controle de Qualidade na Indústria Farmacêutica: identificação de substâncias por espectroscopia no infravermelho. Rev. Bras. Farm. 2013; 94(3):234-242.

Allen Jr LV, Popovich NG, Ansel HC. Formas Farmacêuticas e Sistemas de Liberação de Fármacos. 9.ed. Porto Alegre: Artmed; 2013.

Araújo LU, Albuquerque KT, Kato KC, Silveira GS, Maciel NR, Spósito PA, Barcellos NMS, Souza G, Bueno M, Storpirtis S. Medicamentos Genéricos no Brasil: panorama histórico e legislação. Rev. Panam. Salud Publica 2010; 28(6):480-492.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diferença entre medicamentos referência, similares e genéricos. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/resultadodebusca?p_p_id=101&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=viw&p_p_col_id=column1&p_p_col_count=1&_101_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_assetEntryId=2662139&_101_type=content&_101_groupId=219201&_101_urlTitle=saiba-a-diferenca-entre-medicamentos-de-referencia-similares-egenericos&inheritRedirect=true>.

Pereira JC, Barreto SM, Passos VMA. O Perfil de Saúde Cardiovascular dos Idosos Brasileiros Precisa Melhorar: Estudo de Base Populacional. Arq. Bras. Cardiol. 2008; 91(1):1-10.

Radovanovic CAT, Santos LA, Carvalho MDB, Marcon SS. Hipertensão arterial e outros fatores de risco associados às doenças cardiovasculares em adultos. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2014; 22(4):547-553.

Hilal-Dandan R, Brunton LL. Manual de Farmacologia e Terapêutica de Goodman & Gilman. 2.ed. Porto Alegre: Artmed; 2015.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Fundação Oswaldo Cruz. Farmacopeia Brasileira. Volume 2. 5a edição. Brasília: 2010. Disponível em:< http://www.anvisa.gov.br/hotsite/cd_farmacopeia/pdf/volume2.pdf>.

Rosa M, Flores FC, Beck RCR, Adams AIH, Silva SB. Influência do Processo de Mistura de Pós na Preparação Magistral de Cápsulas de Ibuprofeno. Rev. Saúde (Santa Maria) 2010; 36(2):7-18.

Marcatto AP, Lamim R, Block LC, Bresolin TMB. Análises de Cápsulas de Captopril Manipuladas em Farmácia. Rev. Ciênc. Farm. Básica Apl. 2005; 26(3):221-225.

Pisatto S, Prado JN, Morais EC, Foppa T, Murakami FS, Silva MAS. Análise da Qualidade de Cápsulas de Cloridrato de Fluoxetina. Acta Farm. Bonaerense 2006; 25(4):550-554.

Meneghini LZ, Adams AIH. Avaliação físico-química de cápsulas de diazepam manipuladas em farmácias magistrais de Passo Fundo/RS. Rev. Bras. Farm. 2007; 88(2): 67-70.

Santos MC, Carneiro WJ. Estudo comparativo in vitro e avaliação da qualidade físico-química do antirretroviral aciclovir comprimidos obtidos via internet. Eclética Química Journal 2016; 41(1):43-53.

Linsbinski LM, Musis CR, Machado SRP. Avaliação da equivalência farmacêutica de comprimidos de captopril. Rev. Bras. Farm. 2008; 89(3): 214-219.

Brum TF, Laporta LV, Pons Júnior FR, Gonçalves CA, Santos MR. Equivalência farmacêutica e estudo comparativo dos perfis de dissolução de medicamentos genéricos contendo paracetamol. Rev. Ciênc. Farm. Básica Apl. 2012; 33(3):373-378.

Brasil. Governo do Brasil. Remédios manipulados são até 20% mais baratos que os industrializados. 2012. Disponível em:< http://www.brasil.gov.br/saude/2012/04/remedios-manipulados-sao-ate-20-mais-baratos-que-os-industrializados. Acesso em 02/06/2018>.

Rozenfeld S. Fundamentos da vigilância sanitária. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2000. Disponível em:< https://books.google.com.br/books?id=pFNtAwAAQBAJ&printsec=frontcover&hl=pt-BR#v=onepage&q&f=false>.

Tubino M, Simoni JA. Refletindo sobre o caso celobar. Quím. Nova 2007; 30(2):505-506.

Hurtado RL, Lasmar MC. Medicamentos falsificados e contrabandeados no Brasil: panorama geral e perspectivas de combate ao seu consumo. Cad. Saúde Pública 2014; 30(4):891-895.

Marins TA, Galvão TFG, Korkes F, Malerbi DAC, Ganc AJ, Korn D, Wagner J, Guerra JCC, Borges Filho WM, Ferracini FT, Korkes H. Intoxicação por vitamina D: relato de caso. Rev. Einstein 2014; 12(2):242-244.

Tavares NUL, Bertoldi AD, Thumé E, Facchini LA, França GVA, Mengue SS. Fatores associados à baixa adesão ao tratamento medicamentoso em idosos. Rev. Saúde Pública 2013; 47(6):1092-1101.

Remondi FA, Oda S, Cabrera MAS. Não Adesão a Terapia Medicamentosa: da Teoria a Prática Clínica. Rev. Ciênc. Farm. Básica Apl. 2014; 35(2):177-185.

Aquino GA, Cruz DT, Silvério MS, Vieira MT, Bastos RR, Leite ICG. Fatores associados à adesão ao tratamento farmacológico em idosos que utilizam medicamento anti-hipertensivo. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2017; 20(1):116-127.

Santos JC, Moreira TMM. Fatores de risco e complicações em hipertensos/diabéticos de uma regional sanitária do nordeste brasileiro. Rev. Esc. Enferm. USP 2012; 46(5):1125-1132.

Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial 2016; 107(3). Disponível em:< http://publicacoes.cardiol.br/2014/diretrizes/2016/05_HIPERTENSAO_ARTERIAL.pdf>.

Publicado
2020-02-11
Seção
Artigo Original