PERCEPÇÃO DE USUÁRIOS E PROFISSIONAIS DA REDE PÚBLICA SOBRE A NUTRIÇÃO

  • Edilceia Domingues Do Amaral Ravazzani Nutricionista, mestre em Ensino nas Ciências da Saúde. Docente do Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL
  • Jéssica Daniele da Silva Graduanda em Nutrição. Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL
  • Kely Ferreira Rauber Graduanda em Nutrição. Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL
  • Eduardo Bolicenha Simm Mestre em Economia. Docente do Centro Universitário Autônomo do Brasil - UNIBRASIL
Palavras-chave: Nutricionista, saúde pública, nutrição, conhecimento nutricional.

Resumo

Tendo em vista a importância de um nutricionista para prevenção e manutenção da saúde e levando em consideração a falta desse profissional inserido em cada unidade básica de saúde, esse estudo visou avaliar o conhecimento dos usuários e profissionais de Unidades de Saúde da rede pública de um município da região metropolitana de Curitiba, em relação à nutrição. Trata-se de um estudo observacional analítico com delineamento transversal realizado por meio da aplicação de uma escala  adaptada e validada para o Brasil por Scagliusi. Para a análise estatística foi utilizada a estatística descritiva e teste de qui-quadrado. Participaram da pesquisa 300 usuários e 40 profissionais da rede pública de saúde, sendo 20 médicos e 20 enfermeiros, a amostra caracterizou-se em 68,2% do sexo feminino e 31,8% masculino, a maior parte da amostra apresentou idade entre 41 a 60 anos e ensino médio completo.  Com a aplicação do questionário de conhecimento nutricional foi possível observar que maiorias dos profissionais de medicina possuem alto conhecimento em nutrição, enquanto enfermeiros e usuários apresentam, em sua maioria, conhecimento nutricional moderado a baixo. A partir deste estudo ressalta-se a importância da inserção do nutricionista em Unidades Básicas de Saúde, contando com o relevante papel que tem a alimentação na prevenção de doenças e agravos, e sendo o nutricionista o profissional capacitado a lidar com situações referentes à alimentação e nutrição.

Biografia do Autor

Edilceia Domingues Do Amaral Ravazzani, Nutricionista, mestre em Ensino nas Ciências da Saúde. Docente do Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL
Possui graduação em nutrição pela Universidade Federal do paraná (1988), com especialização em Nutrição Clinica pela UFPR. Mestrado em Ensino nas Ciências da Saúde pela FPP. Atualmente é professora do Centro Universitário Autônomo do Brasil - Unibrasil. Foi por seis anos nutricionista conselheira do Conselho Regional de Nutricionistas - 8a. região. Tem como experiência a área de nutrição, com ênfase em Nutrição Clínica e Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: qualidade de vida, perfil nutricional, segurança alimentar e nutricional, avaliação nutricional, educação nutricional, qualidade em saúde e acreditação hospitalar.

Referências

– CarvalhoG. A Saúde Pública no Brasil. Estudos Avançados. Estudos Avançados. 2013; 27(78), 7-26.

- Santos NR. SUS, política pública de Estado: seu desenvolvimento instituído e instituinte e a busca de saídas. Ciênc. saúde coletiva. 2013 Jan; 18( 1 ): 273-280.

-Cervato-Mancuso AM, Tonacio LV, Silva ER, Vieira VL. A atuação do nutricionista na Atenção Básica à Saúde em um grande centro urbano. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2012 Dec [cited 2019 Nov 06] ; 17( 12 ): 3289-3300.

– Brasil - Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília/2012. Disponível em: <http://dab.saude.gov.br/portaldab/biblioteca.php?conteudo=publicacoes/pnab>. Acesso em 29 de abril de 2017 às 10h20min.

– Assis AMO, Santos SMC, Freitas MCS, Santos JM, Silva MCM. O Programa Saúde da Família: contribuições para uma reflexão sobre a inserção do nutricionista na equipe multidisciplinar. Rev. Nutr. [Internet]. 2002 Sep; 15( 3 ): 255-266.

- Boog MCF. Dificuldades encontradas por médicos e enfermeiros na abordagem de problemas alimentares. Rev. Nutr., Set./Dez., 1999, 12(3): 261-272.

- Boog, MCF. Atuação do nutricionista em saúde pública na promoção da alimentação saudável. Rev. Ciências e Saúde. Jan./Jun., 2008.1(1): 33-42.

– Laporte-Pinfildi ASC, Zangirolani LTO, Spina N, Martins PA, Medeiros AT. Atenção nutricional no pré-natal e no puerpério: percepção dos gestores da Atenção Básica à Saúde. Rev. Nutrição. 2016; 29(1): 109-123.

–NeisM. A importância do nutricionista na atenção básica à saúde. Rev. Ciências Humanas. 2012; 46(2): 399-414.

- Santos AC. A inserção do nutricionista na estratégia da saúde da família: o olhar de diferentes trabalhadores da saúde. Fam. SaúdeDesenv. 2005;7(3): 257-265.

- Harnack L, Block G, Subar A, Lane S, Brand R. Association of cancer-prevention-related nutrition knowledge, beliefs and attitudes to cancer prevention dietary behavior. J Am Diet Assoc. 1997.

- Scagliusi, F; Polacow, V; Cordas, T; Coelho, D; Alvarenga, M; Philippi, T. Tradução, adaptação e avaliação psicométrica da escala de conhecimento nutricional do National Health Interview SurveyCancerEpidemiology. Revista Nutricional. 2006; 19: 425-436.

– Leite C. Conhecimentos em nutrição dos enfermeiros do curso de especialização em Saúde da Família. Revista Ciência & Saúde. 2012; jul./dez. 5(2): 71-78.

- Castro, Natália et. al.; Avaliação do conhecimento nutricional de mulheres fisicamente ativas e sua associação com o estado nutricional. Rev. Bras. Cienc. Esporte. 2010; 32(1); 161-172.

- Pimentel, I. Caracterização da demanda em uma Unidade de Saúde da Família. Revbrasmedfam comunidade. Florianópolis. 2011; 6(20): 175-81.

–Laporte-Pinfildi, ASC, ZangirolaniLTO, Spina N, Martins PA, Medeiros MAT. Atenção nutricional no pré-natal e no puerpério: percepção dos gestores da Atenção Básica à Saúde. Rev. Nutr. [Internet]. 2016; 29(1):109-123. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732016000100109&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/1678-98652016000100011.

– Silva JV, Baratto I. Avaliação do conhecimento e sua influência em uma universidade aberta a terceira idade. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 2015; 9(53): 176-187.

- Campos MAG, Pedroso ERP, Lamounier JA, Colosimo EA, Abrantes MM. Estado nutricional e fatores associados em idosos. Rev. Assoc. Med. Bras. 2006; 52(4): 214-221.

– Nicastro H,Dattilo M, Santos TR, Padilha HV,Zimberg IZ, Crispim CA,Stulbach TE. Aplicação da Escala de Conhecimento Nutricional em Atletas Profissionais e Amadores de Atletismo. RevBrasMedEsporte,. 2008; 14(3): 205-208.

- Freitas C. O padrão de beleza corporal sobre o corpo feminino mediante o IMC. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte. 2010; 24(3); 389-404.

- Claro, R et. al. Consumo de alimentos não saudáveis relacionados a doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev. Epidemiol. Serv. Saúde. 2015; 24(2): 257-265.

- Instituto Nacional de Câncer – INCA. Disponível em: < http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/cancer/site/prevencao-fatores-de-risco/alimentacao>. Acesso em 11 de junho de 2018 às 14h.

–Pereira PL, Nunes ALS, Stênio FPD. Qualidade de Vida e Consumo Alimentar de Pacientes Oncológicos. Revista Brasileira de Cancerologia. 2015; 61(3): 243-251.

– Ravazzani EDA, Matia, G, Coelho, ICMM,Esteves, RZ. Evaluation of the development of general competences in undergraduate courses in nutrition. International journal of health education .2018; 2(1):42-52.

Publicado
2020-02-11
Seção
Artigo Original