TESTES FENOTÍPICOS PARA A DETECÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DE CARBAPENEMASES EM Enterobacterales ISOLADAS DE HEMOCULTURAS DE PACIENTES ONCOLÓGICOS

PHENOTYPIC TESTS FOR DETECTION AND DIFFERENTIATION OF CARBAPENEMASES IN Enterobacterales ISOLATED FROM BLOOD OF CANCER PATIENTS

  • Aline Correia do Nascimento Centro Universitário Autônomo do Brasil
  • Vitória Talita Reichardt /centro Universitário Autônomo do Brasil
  • Jannaina Ferreira de Melo Vasco Universidade Federal do Paraná
  • Luiza Souza Rodrigues
Palavras-chave: Carbapenemase; Enterobacterales; câncer; beta-lactâmicos

Resumo

Pacientes oncológicos são especialmente suscetíveis ao desenvolvimento de infecções bacterianas. Um agravante desta situação é a emergência da resistência bacteriana associada ao esgotamento de recursos farmacológicos no combate a infecções hospitalares. Neste contexto, destaca-se a resistência aos beta-lactâmicos associada à produção de enzimas tipo beta-lactamases pela família Enterobacterales, que se tornou um problema de saúde pública em todo o mundo. O objetivo do estudo foi detectar e diferenciar por métodos fenotípicos, enzimas do tipo serina e metalo-betalactamase em enterobactérias isoladas de hemoculturas de pacientes oncológico. Este estudo utilizou enterobactérias previamente isoladas de hemocultura coletadas durante o período de um ano, a partir de setembro de 2015, identificadas e avaliadas quanto ao perfil de suscetibilidade aos carbapenêmicos. Todos os isolados intermediários ou resistentes ao ertapenem, meropenem ou imipenem foram incluídos no estudo e avaliados quanto à possível produção de carbapenemase pelas técnicas mCIM e eCIM. Dos 18 isolados incluídos, 14 estavam viáveis para a realização dos testes. Destes, quatro foram positivos no teste mCIM, sugerindo a produção de carbapenemase pelas bactérias testadas, e nenhuma foi positiva no eCIM, excluindo assim tratar-se de metallo-betalactamases. A disseminação dos mecanismos de resistência à classe dos antibióticos carbapenêmicos, especialmente entre os bacilos Gram-negativos, é preocupante, entretanto sua ocorrência é variável entre os serviços de saúde. Este estudo reforça a importância de conhecer a epidemiologia local quanto ao perfil de suscetibilidade dos isolados bacterianos e a investigação dos possíveis mecanismos de resistência, a fim de estabelecer medidas de controle e terapias empíricas adequadas ao perfil hospitalar.

Referências

1- THULER, L. C. S. ABC do câncer: abordagens básicas para o controle do câncer / Instituto Nacional de Câncer. – Rio de Janeiro: Inca, 2011, p. 7.
2- OLIVEIRA, M. M; MALTAI, D. C; GUAUCHE, H; MOURA, M; AZEVEDO, G. Estimativa de pessoas com diagnóstico de câncer no Brasil: dados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev bras epidemiol. 2015; 18 (2): 146-157.
3- LEITE, M. A. C; NOGUEIRA, D. A; TERRA, F. S. Avaliação da autoestima em pacientes oncológicos submetidos a tratamento quimioterápico. Revista Latino-Americana de Enfermagem, nov.-dez. 2015; 23 (6): 1082-9.
4- SIQUEIRA-BATISTA, R; GOMES, A.P; CALIXTO-LIMA, L; VITORINO, R.R; PEREZ M. C. A; MENDONÇA, E. G; et al. Sepse: atualidades e perspectivas. Rev Bras Ter Intensiva. 2011; 23 (2): 207-216.
5- SNYDMAN, DAVID R.. Infecções Nosocomiais e Iatrogênicas. In: Schaechter, Moselio; Engleberg, N. Cary; Eisenstein, Barry I.; MEDOFF, Gerald. Microbiologia Mecanismos das Doenças Infecciosas. ed.3ª. Rio de Janeiro: Guanabara Koogans S.A., 2002, c. 72, p. 589.
6- GUILARDE, A. O; TURCHI M. D; MARTELLI, C. M. T ; ET AL. Bacteremias em pacientes internados em hospital universitário. Rev Assoc Med Bras 2007; 53(1): 34-8.
7- ALVES, L. N. S; OLIVEIRA, C. R; SILVA L. A. P; GERVÁSIO, S. M. D; ALVES , S. R. Hemoculturas: estuda da prevalência dos microrganismos e o perfil de sensibilidade dos antibióticos utilizados em unidade de terapia intensiva. São José dos campos – SP, 2012.
8- LAVAGNOLI, S. L; BASSETTI, B. R.; KAISER, T. D. L.; KUTZ ,K.M.; CERUTTI C.J.R. Fatores associados à aquisição de Enterobactérias resistentes aos carbapenêmicos, Rev. Latino-Am. Enfermagem Artigo Original 2017;25:e2935.
9- VIEGAS, D. M; SOARES, V. M. Prevalência de carbapenemases em enterobactérias com sensibilidade diminuída aos carbapenêmicos isoladas em um hospital de referência terciária. J. Bras. Patol. Med. Lab. 54 (2): 95-98.
10- PAGÈS, J. M; JAMES, C. E; WINTERHALTER, M. The porin and the permeating antibiotic: a selective diffusion barrier in Gram-negative bacteria. Nat Rev Microbiol. 2008 .
11- DEL FRANCO, M.; PAONE, L.; NOVATI, R.; GIACOMAZZI, C. G.; BAGATTINI, M.; GALOTTO, C. et al. Molecular epidemiology of carbapenem resistant Enterobacteriaceae in Valle d’Aosta region, Italy, shows the emergence of KPC- 2 producing Klebsiella pneumoniae clonal complex 101 (ST101 and ST1789). BMC Microbiol. [Internet]. 2015.
12- TALLY, F. P., Estratégias para o Combate às Infecções Bacterianas. In: Schaechter, Moselio; Engleberg, N. Cary; Eisenstein, Barry I.; Medoff, Gerald. Microbiologia Mecanismos das Doenças Infecciosas. ed.3ª. Rio de Janeiro: Guanabara Koogans S.A., 2002, c. 30, p. 248.
13- ANDRADE, L. N; DARINI, A. L. C., Mecanismos de resistência bacteriana aos antibióticos. Curso Básico de Antimicrobianos Divisão de MI – CM – FMRP-USP.
14- TORTORA, G. J.; FUNKE, B. R.; CASE, C. L., Microbiologia. 8. ed. Porto Alegre: Artmed, 894 p, 2006.
15- BARBOSA L. A; LATINI, R. O. Resistência bacteriana decorrente do uso abusivo de antibióticos. Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix – Campus Praça da Liberdade.
16- Y, Y.E ; LIJUAN, X.U, YANPING H. A. N; CHEN, Z. H. E; CAILIN, L.; E MING, L. Mecanismo para resistência a carbapenemas de isolados clínicos de Enterobacteriaceae.. Departamento de Laboratório Clínico. República Popular da China, 19 de outubro de 2017.
17- MANUAL DE ANTIBIOGRAMA. Laborclin Produtos para Laboratórios Ltda. Revista 14, 06-2018. p 31, 43.
18- DJ ROSSI, RECHENCHOSKI DZ, VIVAN ACP, et al. Evolution da resistência de Klebsiella pneumoniae no Hospital Universitário de Londrina no período de 2000 a 2011. Semina CiencBiol Saúde. 2015; 36 (1): 267-74.
19- PAPPA-WALLACE PM, ENDIMANI A, TARACILA MA, BONOMO RA. Carbapenems: Past,Present and Future. Antimicrob Agents Chemother. 2011 Nov; 55(11): 4943–4960.
20- CLINICAL LABORATORY STANDARDS INSTITUTE (CLSI). Performance Standards for Antimicrobial Susceptibility Testing. Documento: M100-ED 29, Jan 2019.
21- UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO.Carbapenêmicos (beta-lactâmicos). Curso Básico de Antibiograma. São Paulo, p. 3-4.
22- PASCHOAL, R. P. S; NOVAS, S. M. C. M., PICÃO, R. C., Cronologia da emergência global de carbapenemases em bacilos gram-negativos. Saber Digital, [S.l.], v. 10, n. 2, p. 43-61, fev. 2018. ISSN 1982-8373.
23- AMBLER, R. P., The structure of β-lactamase.Philosophical Transactions of the Royal Society of London. Series B, Biological Sciences, v.289, p.321-331, 1980.
24- ABRANTES, J. A., NOGUEIRA, J. M. R., Utilização de testes fenotípicos para a pesquisa de carbapenemases em enterobactérias: uma ferramenta para orientação clínica. Revista Brasileira de Análises Clínicas – RBAC. 2017; 49(3):240-4.
25- PIERCE V. M. et al. Modified Carbapenem Inactivation Method for Phenotypic Detection of Carbapenemase Production among Enterobacteriaceae. Journal of Clinical Microbiology, v. 55, n. 8, p. 2321-2333, Apr. 2017. Disponivel em: shttps://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28381609. Acesso em: 21 jun. 2019. DOI TO1128/JCM.O0193-13.
26- RODRIGUES, K. C. S., Estudo da influência do ph e da temperatura na produção de ácido clavulânico por Streptomyces clavuligerus em biorreator convencional. Universidade federal de são joão del-rei programa de pós-graduação em tecnologias para o desenvolvimento sustentável, 2015. pag 19-20.
27- SANTANA, R. C; Antibióticos beta-lactâmicos. Curso Básico de Antimicrobianos Divisão de MI – CM – FMRP-USP. pag 3.
28- WALSH, T.R. The emergence and implications of metallo-βlactamases in Gram-negative bacteria. Clin. Microbiol. Infect., v.11, suppl.6, p.2-9, 2005b.
29- ABRANTES, J.A; NOGUEIRA, J.M.R. Utilização de testes fenotípicos para a pesquisa de carbapenamases em enterobactérias: uma ferramenta para orientação clínica. ENSP/Fiocruz – Rio de Janeiro 2017.
30- GONÇALVES, B; Incidência de Enterobactérias produtoras de beta lactamase de espectro ampliado isoladas de hemoculturas. Unibrasil – 2016.
31- MACHIOSKI, K; Perfil de suscetibilidade aos carbapenêmicos em cepas isoladas de hemocultura de pacientes atendidos em hospital oncológico de Curitiba. Unibrasil – 2017.
32- LACERDA, L. L; SILVA, R. S; PAIVA, M. C., Detecção de carbapenemases por métodos fenotípicos em isolados clínicos de Enterobácterias. UFSJ -2018.
33- RIOS. V. M.; ALMEIDA. M. T. G., Carbapenemases: Um Problema em Evolução. São José do Rio Preto, Set, 2015.
34- SIQUEIRA, C. G; Avaliação do teste Carbapenem Inactivation Method (CIM) na detecção de carbapenemases em Enterobactérias. UFRGS – 2016.
35- RIBEIRO, V. B; Detecção de resistência aos carbapenêmicos e avaliação da produção de klebsiella pnemoniae carbapenemase (kpc) em isolados clínicos da família enterobacteriaceae. UFRGS – 2013.
Publicado
2020-07-10
Seção
Artigo Original