BRINQUEDO TERAPÊUTICO BOLA DAS SENSAÇÕES: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

  • Mariana Coelho Rodrigues CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL
  • Dievilin Demenjon de Carvalho CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL
  • Marlise Lima Brandão CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL
  • Patrícia da Silva Gariba
Palavras-chave: JOGOS E BRINQUEDOS, ENFERMAGEM PEDIÁTRICA, CUIDADOS DE ENFERMAGEM

Resumo

Objetivou-se relatar a utilização do brinquedo terapêutico – Bola das Sensações – como uma prática de enfermagem em crianças hospitalizadas. Trata-se de um relato de experiência de duas acadêmicas de enfermagem. A vivência ocorreu em agosto de 2018, em um hospital público de grande porte na Região Metropolitana de Curitiba – PR, durante as práticas de campo na disciplina saúde da criança. Como resultados, obteve-se a elaboração da Bola das Sensações, que tinha como propósito facilitar a interação do profissional de enfermagem com o paciente, possibilitando à criança momentos de descontração durante o processo saúde-doença, assim como diminuir o grau de estranheza do infante que se encontrava em um lugar com pessoas desconhecidas, situação na qual é necessário considerar as particularidades e necessidades da criança. A Bola das Sensações foi utilizada em quatro crianças, nas quais pode-se observar efeitos benéficos aos pacientes infantis hospitalizados, mas é importante demonstrar que a bola não é mágica, ela necessita que um profissional utilize-a com a criança e demonstre sua funcionalidade, este profissional precisa ter empatia pela criança reconhecendo suas necessidades, criatividade, medos e angústias. A experiência vivenciada pelas acadêmicas demonstrou grande relevância para a formação, uma vez que possibilitou o reconhecimento de informações valiosas relacionadas às crianças, assim como a oportunidade de desenvolver um brinquedo terapêutico – a Bola das Sensações.

Biografia do Autor

Mariana Coelho Rodrigues, CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL

Enfermeira. Pós graduanda em Home Care. E-mail: mari_gtr@hotmail.com.

Dievilin Demenjon de Carvalho, CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL

Enfermeira. 

Marlise Lima Brandão, CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL

Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Docente do Curso de Enfermagem do Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL. 

Patrícia da Silva Gariba

Enfermeira. Especialista em Estomaterapia. 

Referências

(1) Kiche MT, Almeida FA. Brinquedo terapêutico: estratégia de alívio da dor e tensão durante o curativo cirúrgico em crianças. Acta Paulista de Enfermagem. 2009; 22(2): 125-130.
(2) Marques DKA, Silva KLB, Cruz DS, Souza IVB. Benefícios da Aplicação do brinquedo terapêutico: visão dos enfermeiros de um hospital infantil. Arq. Ciênc. Saúde. 2015; 22(3): 64-68.
(3) Oliveira CS, Maia EBS, Borba RIH, Ribeiro CA. Brinquedo Terapêutico na assistência à criança: percepção de enfermeiros das unidades pediátricas de um hospital universitário. Rev. Soc. Brasileira de Enfermagem Pediátrica. 2015; 15(1):21-30.
(4) Veiga MAB, Sousa MC, Pereira RS. Enfermagem e o brinquedo terapêutico: vantagens do uso e dificuldades. Rev. Eletrôn. Atualiza Saúde. 2016; 3(3):60-66.
(5) Simões Júnior JS, Costa RMA. A construção do brinquedo terapêutico: subsídios para cuidar em enfermagem pediátrica. Revista Pesquisa, Cuidado e Fundamental [Online]. 2010 [citado 2019 out. 21]; 2(supl.2): 728-731.
(6) Green CS. Entendendo as necessidades das crianças através do brinquedo terapêutico. Nursing (São Paulo). 1974; 04 (10), 31-2.
(7) Souza LPS, Silva CC, Brito JCA, Santos APO, Fonseca ADG, Lopes JR. O Brinquedo Terapêutico e o lúdico na visão da equipe de enfermagem. J Health Sci Inst. 2012; 30(4):354-8.
(8) Leite TM, Shimo AK. Uso do brinquedo no hospital: o que os enfermeiros brasileiros estão estudando? Rev Esc Enferm USP. 2008; 42(2):389-95.
(9) Junqueira MF. A mãe, seu filho hospitalizado e o brincar: um relato de experiência. Estud Psicol (Natal). 2003; 8(1): 193-197.
(10) Maria EB, Guimarães RN, Ribeiro CA. O significado da medicação intratecal para a criança pré-escolar: expresso em sua brincadeira. Rev Paul Enferm. 2003; 22 (3): 268-76.
(11) Trezza EM. Função dos jogos e brinquedo na vida da criança. J Pediatr (Rio de Janeiro). 1977; 42 (6): 55-8.
(12) Furtado MC, Lima RA. Brincar no hospital: subsídios para o cuidado de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 1999; 33(4): 364-9.
(13) Medeiros G, Matsumoto S, Ribeiro CA, Borba RI. Brinquedo terapêutico no prepare da criança para punção venosa em Pronto Socorro. Acta Paul Enferm. 2009; 22 (Edição Especial): 909-15.

(14) Pinheiro MCD, Lopes GT. A influência do brinquedo na humanização da assistência de enfermagem à criança hospitalizada. Rev Bras Enferm. 1993; 46 (2): 117-31.
(15) Ribeiro CA. Crescendo com a presença protetora da mãe: a criança enfrentando o mistério e o terror da hospitalização. [tese] São Paulo (SP): Escola de Enfermagem da USP; 1999.
(16) Santos LMCN, Borba RIH, Sabatés AL. A importância do preparo da criança pré-escolar para injeção intramuscular com o uso do brinquedo. Acta Paul Enferm, vol. 13, ano, p. 52-58, 2000.
(17) Huerta EDPN. Aprendendo a preparar a criança para enfrentar situações difíceis e/ou desconhecidas. Rev Esc Enferm USP. 1993; 17 (1): 27-32.
(18) Ribeiro CA, Borba RI. O preparo da criança e do adolescente para procedimentos hospitalares. In: Almeida FA, Sabatés AL. Enfermagem pediátrica: a criança, o adolescente e sua família no hospital. São Paulo: Manole; 2008.
(19) Estrela MT. Investigação, Reflexão, Acção e Formação de Professores. Porto: Porto Editor, 1999.
(20) Melo LL, Valle ER. Brinquedoteca hospitalar. In: Almeida FA, Sabatés AL. Enfermagem pediátrica: a criança, o adolescente e sua família no hospital. São Paulo: Manole; 2008.
Publicado
2021-08-05
Seção
Artigo Original