Avaliação epidemiológica dos casos de influenza a (H1N1) e o impacto da vacinação em indivíduos que residem em Curitiba-PR

  • Kelly Sandrin Golynski
  • Camila Moraes Marques
Palavras-chave: vírus da influenza A subtipo H1N1, vírus da influenza A, subtipo H1N1, orthomyxoviridae, vacina contra influenza

Resumo

A Influenza, ou gripe, é uma infecção viral aguda do sistema respiratório, de elevada transmissibilidade e distribuição global. Há pelo menos 400 anos o Influenza causa pandemias. A maior delas historicamente registrada, conhecida como gripe espanhola, causada pelo vírus Influenza A (H1N1). Em março de 2009, o Influenza A/H1N1, ressurgiu, com uma nova mutação, causando 12.800 óbitos no mundo, no Brasil, 2.051 óbitos e mais de 44 mil casos da doença foram confirmados e a maior incidência ocorreu nas regiões Sul e Sudeste. Vacinas contra a pandemia da gripe A/H1N1 foram desenvolvidas, e programas de vacinação foram implementados em vários países, bem como para tratamento foi indicado o uso do Oseltamivir. Neste presente artigo, há o objetivo de avaliar os casos de Influenza A (H1N1) acometidos pela nova variante do vírus A/H1N1 e a avaliação do impacto da vacina pós-pandêmica. Onde foi feito um estudo retrospectivo por meio de análises de prontuário médico e fichas de investigação de casos confirmados de Influenza A (H1N1) e suspeitos na cidade de Curitiba, Paraná, no Hospital do Trabalhador, no período de 04 (quatro) anos, com a finalidade de traçar um perfil epidemiológico dos casos. Foram analisados 102 casos (2009 a 2012), dentre eles 61 casos suspeitos e 41 casos confirmados de Influenza A (H1N1). Mulheres gestantes e jovens sofreram a maior incidência dos casos. Sinais clínicos da gripe A/H1N1 foram semelhantes aos da gripe Sazonal.
Publicado
2017-03-14
Seção
Artigo Original