Atendimento caminhante e situação de rua: análises de ideações suicidas

  • Dênis Wellinton Viana
  • Dulce Mara Gaio
Palavras-chave: Saúde Urbana, Ideação Suicida, Marginalização Social, Psicologia

Resumo

A proposta deste artigo é analisar o atendimento de um homem de meia-idade em situação de rua e com comportamentos do espectro suicida. Para isso, buscou-se compreender as explicações estigmatizantes em torno do fenômeno do suicídio e as lógicas contemporâneas que colocam tal situação num lugar de marginalidade. A partir disso, tendo a Psicologia Fenomenológico-Existencial como parâmetro, o suicídio passa a ser apresentado como possível escolha ante uma existência inautêntica e não compreendida como processo. Por fim, os aspectos conceituais são confrontados com a vivência das sessões psicoterápicas para o atendido e para o terapeuta, já que ambos foram convocados a sair do lugar de quietismo para um lugar de processo, a fim de que o atendimento clínico ocorresse com vistas a uma prática ética, em que a escuta e a acolhida fossem possíveis.
Publicado
2017-03-14
Seção
Artigo Original