Análise de resistência das bactérias láticas à temperatura ambiente

  • Caroline Luise Soldi Centro Universitário Autônomo do Brasil - Unibrasil
  • Ester de Almeida Machado Oliveira Centro Universitário Autônomo do Brasil - Unibrasil
  • Willian Barbosa Sales Centro Universitário Autônomo do Brasil - Unibrasil

Resumo

Estudo quantitativo com o objetivo de quantificar o crescimento de bactérias láticas em temperatura ideal (0ºC à 10ºC), e à 30 e 60 minutos em exposição à temperatura ambiente, em dez marcas de leites fermentados comercializados em um supermercado de Curitiba/Paraná. Foram realizadas diluições seriadas 10-3, semeadas em ágar Man Rogosa & Sharpe, e incubadas a 30±1ºC por 6 dias, na sequência foi realizada Coloração de Gram, Teste de Catalase (-) e a contagem das bactérias láticas em Unidades Formadoras de Colônia/ml para comparação com a Instrução Normativa nº46/2007, que determina a identidade e qualidade de leites fermentados. As médias do número de colônias para a amostra em temperatura ideal, e em temperatura ambiente por 30 minutos e 60 minutos foram 3,16x105, 3,64x105 e 2,75x105, respectivamente, não atendendo à Instrução Normativa nº46/2007. No momento da compra, todas as amostras estavam em temperatura adequada, com média de 5,5ºC. O teste estatístico de Friedman (p=0,0672) esclarece que não existe diferença significativa entre o número de colônias das amostras em temperatura ideal, por 30 e 60 minutos em temperatura ambiente, embora na análise percentual tenha ocorrido variações.

Biografia do Autor

Caroline Luise Soldi, Centro Universitário Autônomo do Brasil - Unibrasil

Ensino Fundamental - Escola Estadual Nossa Senhora de Fátima;

Ensino Médio - Colégio Estadual Amâncio Moro;

Extensivo Pré-vestibular - Curso Dynâmico;

Técnica em Manicure e Pedicure - SENAC;

Acadêmica do curso de Nutrição - Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil.

Ester de Almeida Machado Oliveira, Centro Universitário Autônomo do Brasil - Unibrasil

Ensino Fundamental - Escola Instituto Sepetiba;

Curso de Inglês - CCAA;

Ensino Médio - CIEP 392 Mário de Andrade;

Concursada e Técnica Especialista em Tráfego Aéreo - EEAR (Escola de Especialistas da Aeronáutica);

Nutricionista - Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil.

Willian Barbosa Sales, Centro Universitário Autônomo do Brasil - Unibrasil

Biólogo - CRBio 50100/07-D

Doutor em Saúde e Meio Ambiente - Univille

Referências

Tamime AY, Robinson RK. Yoghurt: Science and Technology. 3.ed. Cambridge, Inglaterra: Woodhead Publishing Limited; 2007.

Reis DL. Qualidade e inocuidade microbiológica de derivados lácteos fermentados produzidos no Distrito Federal, Brasil [dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília - UnB; 2013.

Thamer KG, Penna, ALB. Caracterização de Bebidas Lácteas Funcionais fermentadas por Probióticos e acrescidas de Prebiótico. Ciênc Tecnol Aliment. 2006; 26(3): 589-95.

Brasil. Instrução Normativa nº 36, de 31 de outubro de 2000. Regulamento técnico de identidade e qualidade de bebida láctea. Diário Oficial da União. 2000 out. 31; Seção 1.p 22.

Brasil. Instrução Normativa nº 46, de 23 de Outubro de 2007. Regulamento técnico de identidade e qualidade de leites fermentados. Diário Oficial da União. 2007 out. 23; Seção 1.p 4.

Garcia RV, Farias LRG, Lima ARC. Estudo de Rótulos de Leite Fermentado Comercializados no Município João Pessoa – PB. Rev Verde. 2012; 7(1): 15-18.

Saad SMI. Probióticos e prebióticos: o estado da arte. Rev Bras Cienc Farm. 2006; 42(1): 1-16.

Carvalho JA, Santos CSS, Carvalho MP, Souza IS. O alimento como remédio: considerações sobre o uso dos alimentos funcionais. Rev. Científica do ITPAC. 2013; 6(4): 1-9.

Brasil. Instrução Normativa nº. 44, de 15 de dezembro de 2015. Regulamento técnico sobre aditivos para produtos destinados à alimentação animal. Diário Oficial da União. 2015 dez. 15; Brasília, 2015. Seção 1.p 7.

Pavan S, Desreumaux P, Mercenier A. Use of mouse models to evaluate the persistence, safety, and immune modulation capacities of lactic acid bacteria. Clin Diagn Lab Immunol [Internet]. 2003 [acesso em 2017 out 24]; 10(4): 696–701. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC164262/

Flesch, AGT, Poziomych, AK, Damin, DDC. O uso terapêutico dos simbióticos [revisão]. Porto Alegre: Pós-graduação em Ciências Cirúrgicas – UFRGS; 2014.

Villena J, Kitazawa H. Probiotic Microorganisms: A Closer Look. Multidisciplinary Digital Publishing Institute. 2017; 5(17): 1-3.

Kopp-Hoolihan L. Prophylactic and therapeutic uses of probiotics: a review. J Am Diet Assoc [Internet]. 2001 [acesso em 2018 jan 23]; 101(2): 229-38. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11271697

Wollowski L, Rechkemmer G, Pool-Zobel BL. Protective role of probiotics and prebiotics in colon cancer. Am J Clin Nutr [Internet]. 2001 [acesso em 2018 jan 23]; 73(2): 451-55. Disponível em: http://ajcn.nutrition.org/content/73/2/451s.full

Pereira DIA, Gibson GR. Effects of consumption of probiotics and prebiotics on serum lipid levels in humans. Crit Rev Biochem Mol Biol. 2002; 37(4): 259-81.

Lourens-Hattingh A, Viljoen BC. Yogurt as probiotic carrier food. International Dairy Journal. 2001; 11: 1-17.

Silva N, Junqueira VCA, Silveira NFA Taniwaki MH, Santos RFS, Gomes RAR. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos e água. 4.ed. São Paulo: Livraria Varela Editora; 2001.

Forsythe SJ. Microbiologia da segurança dos alimentos. 2.ed. Porto Alegre: Artmed Editora; 2013.

Estelles RS. Importância do controle da Temperatura e do Tratamento Térmico na Preservação dos Nutrientes e da Qualidade dos Alimentos [monografia]. Brasília: Universidade de Brasília – UnB; 2003.

Ballardin AC, Fagundes DI, Guizzo FM, Zucatti KP, Nespolo CR. Análise de microrganismos presentes em amostras de leite fermentado durante a vida de prateleira do produto. In: II Congresso de Pesquisa e Extensão da Faculdade da Serra Gaúcha, 2014; Caxias do Sul. Rio Grande do Sul: Faculdade da Serra Gaúcha; 2014. P. 388-99.

Medeiros MCR, Carvalho MGX, Ribeiro MSS, Faustino MVAS, Souza DRM, Araújo VJA. Avaliação Microbiológica e das condições de estocagem da Bebida Láctea Fermentada comercializada no município de Patos no estado da Paraíba. In: VI Congresso de Iniciação Científica da Universidade Federal de Campina Grande, 2009; Patos. Paraíba: Universidade Federal de Campina Grande; 2009. P. 1-10.

Silva ABN, Ueno M. Evaluation of lactic acid bactéria viability and titratable acidity variation in fruit flavor yogurt. Rev Inst Latic Cândido Tostes. 2013; 68(390): 20-5.

Inmet. Gráficos de Temperaturas Diárias: Máxima, Média, Mínima. Instituto Nacional de Meteorologia, Brasília [Internet]. 2017 [acesso em 2017 out 24]. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=tempo/graficos

Almeida DM. Determinação do tempo de vida de prateleira de iogurte com de polpa de fruta por meio da população de bactérias láticas totais. Rev Bras Tecnol Agroindustrial. 2015; 9(1): 1671-81.

Figueiredo HM, Passos FJV, Moraes CA, Passos FML, Teixeira MA. Produção de leite não-fermentado contendo Lactobacillus acidophilus UFV H2b20 isolado no Brasil. Braz. J. Food Technol. 2004; 7(2): 139-44.

Ribeiro BD, Nascimento RP, Pereira KS, Coelho MAZ. Microbiologia Industrial: Alimentos. 1.ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2018.

Lima RMT, Ferraz LPS, Lima RCT, Araújo GT, Paiva JE, Shinohara NKS, et al. Análise microbiológica e físico-química de bebidas lácteas comercializadas no Recife – PE. In: Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, 2009; Recife. Pernambuco: Universidade Federal Rural de Pernambuco; 2009. P. 1-3.

Nunes CRZ, Silva ML, Bortoluzzi M. Análise Microbiológica e Físico-sensorial de Iogurtes sabor Ameixa comercializados na região oeste do Paraná [trabalho de conclusão de curso]. Medianeira: Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR; 2013.

Brasil. RDC nº 259, de 20 de Setembro de 2002. Regulamento Técnico sobre Rotulagem de Alimentos Embalados. Diário Oficial da União. 2002 set. 23; Seção 1.p 3.

Roberfroid M. Functional food concept and its application to prebiotics. Dig Liver Dis [Internet]. 2002 [acesso em 2018 jan 11]; 34(2): 105-10. Disponível em: https://www.dldjournalonline.com/article/S1590-8658(02)80176-1/pdf

Raizel R, Santini E, Kopper AM, Filho ADR. Efeitos do consumo de probióticos, prebióticos e simbióticos para o organismo humano. Rev Ciência e Saúde. 2011; 4(2): 66-74.

Publicado
2020-02-11
Seção
Artigo Original