Desfecho clínico de Pacientes Idosos Atendidos pelo Projeto QualiVida UniBrasil: Relato de uma série de casos

Projeto qualivida: Avaliação da qualidade do atendimento prestado

  • Jaqueline Correia
  • Willyane Karen Lisik
  • Adriadne Cruz da Silva
  • Adriana de Oliveira Christoff Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil
Palavras-chave: Atenção farmacêutica, Assistência farmacêutica, Interações medicamentosas,

Resumo

O uso de vários medicamentos concomitantemente pode desencadear com frequência interações medicamentosas as quais podem provocar baixa adesão ao tratamento farmacológico e demais PRMs (problemas relacionado a medicamentos). Desta forma, é imprescindível a atuação do farmacêutico no processo de avaliar as prescrições, reações adversas e colaterais e realizar estudos de interações medicamentosas com segurança e qualidade. Desta forma, este trabalho teve o objetivo de realizar a avaliação do acompanhamento farmacoterapêutico prestado pela equipe de farmácia do programa QualiVida, através do desfecho clinico apresentado pelos pacientes. Trata-se de um estudo transversal, descritivo, exploratório e retrospectivo. Para tal foram selecionados 5 pacientes polifarmácia, acima de 60 anos e participante do projeto no ano de 2019. Após avaliadas as interações, foram encontradas 44, e dentre essas, 14 foram de risco grave, 21 de médio risco e 9 de baixo risco. Diante dos resultados foram sugeridas medidas corretivas como: modificação nos horários de administração, suspensão ou substituição do medicamento de acordo com o prescritor, a fim de a adesão ao tratamento farmacológico. Após realizadas as medidas, houve a redução dos eventos adversos e colaterais relatados pelos pacientes durante o segmento das consultas farmacêuticas e por fim obteve-se desfechos clínicos positivos.

Biografia do Autor

Adriana de Oliveira Christoff, Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil

Possui graduação em Farmácia e Bioquímica / Indústria e Alimentos pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2004). Especialista em Farmacologia pela Universidade Federal do Paraná (2006). Mestre em Farmacologia pela Universidade Federal do Paraná (2008) e doutorado em farmacologia pela Universidade Federal do Paraná (2015). Atualmente é professora pesquisadora do Centro Universitário Autônomo do Brasil (UniBrasil). Possui experiência na área de Farmacologia com ênfase em Metabolismo hepático e na área de drogas de abuso. Participa de pesquisa básica e clínica na área de drogas de abuso.

Referências

REFERÊNCIAS
1. Rocha CH, Oliveira APS, Ferreira C, Faggiani FT, Schroeter G, Souza ACA. et al. Adesão à prescrição médica em idosos de Porto Alegre, RS. Ciência & Saúde Coletiva 13: 703-710, 2008.
2. Mclean AJ, Couteur DG. Aging biology and geriatric clinical pharmacology. Pharmacol Rev 56(2): 163-84, 2004.
3. Woodward MC. Deprescribing: achieving better health outcomesfor older people through reducing medications. J Pharm Pract Res 33:323-8, 2003.

4. Secoli SR. Polifarmácia: Interações e Reações Adversas no Uso de Medicamentos por Idosos. Revista Brasileira de Enfermagem 63(1): 136-140, 2010.
5. Lima RHE, Cassiani SHB. Interações medicamentosas potenciais em pacientes de unidade de terapia intensiva de um hospital universitário. Revista Latino-am Enfermagem 17(2), 2009.
6. Correr CJ, Otuki MF. A Prática Farmacêutica na Farmácia Comunitária. 1ª edição. Artmed, 2013.
7. Foppa AA, Bevilacqua G, Pinto LH, Blatt CR. Atenção Farmacêutica no Contexto da estratégia de saúde da família. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas 44(4): 727-737, 2008.
8. Ivama AM, Noblat L, Castro MS, Oliveira NVBV, Jaramillo NM, Rech N. Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica, Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde,24p, 2002.
9. Comitê de Consenso. Segundo consenso de Granada sobre problemas relacionados com medicamentos. Ars Pharm., v.43, n.3-4: 175-184, 2002.
10. Faludi AA, Izar MCO, Saraiva JFK, Chacra APM, Bianco HT, Afiune Neto A. et al. Atualização da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Sociedade Brasileira de Cardiologia 109(2): 92p, 2017.
11. Fonseca FAH. Farmacocinética das estatinas. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 85(V): 9-14, 2005.
12. Magalhães MEC. Mecanismo de rabdomiólise com as estatinas. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 85(V): 42-44, 2005.
13. Linarelli MCB, Pott JRH. Statins: a review about vascular aspects. Rev. Ciênc. Méd 17(1): 44-51, 2008.
14. Almeida EA, Ozaki MR. O efeito da Pitavastatina na Reatividade Vascular em Coelhos Hipercolesterolêmicos. Arq. Bras. Cardiol. 103(1): 4-12, 2014.
15. Oliveira GMM. Antiagregantes Plaquetários. Rev. SOCERJ XIV (1): 21:27, 2001.
16. Rosa MP, Baroni GV, Portal VL. Contribuição na prevenção da isquemia cerebral pelo cilostazol, um inibidor da fosfodiesterase III: revisão de literatura. Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular 7(1): 49-55, 2008.
17. Shinohara Y, Katayama Y, Uchiyama S, Yahaguchi T, Handa S, Matsuoka K. et al. Cilostazol for prevention of secondary stroke (CSPS 2): na aspirin-controlled, double-blind, randomized non-inferiority trial. Lancet Neurol 9(10): 959-968, 2010.
18. Lorga Filho AM, Azmus AD, Soeiro AM, Quadros AS, Avezum Junior A, Marques AC. et al. Diretrizes Brasileiras de Antiagregantes Plaquetários e Anticoagulantes em Cardiologia. Sociedade Brasileira de Cardiologia 101(3): 106p, 2013.
19. Fortes ZB, Nigro D. Aspectos farmacológicos da interação anti-hipertensivos e antiinflamatórios não-esteróides. Rev. Bras. Hipertens 12(2): 108-111, 2005.
20. Silva JED, Sette IMF, Bélem LF, Pereira GJS, Barbosa JAA. Interação medicamentosa entre anti-inflamatórios não-esteróides e anti-hipertensivos em pacientes hipertensos internados em um hospital público. Revista Baiana saúde pública 32(1): 18-28, 2008.
21. Nascimento DM, Pigoso AA. Interação medicamentosa entre anti-hipertensivos e anti-inflamatórios não esteroidais. Revista Científica da FHO/UNIARARAS 1(1): 14-17, 2013.
22. Mota PM, Lima ALZ, Coelho E, Paula EMX, Furini AAC. Estudo sobre a utilização de antiinflamatórios não esteroidais prescritos em receitas para idosos da região Noroeste Paulista. Rev. Ciênc. Farm. Básica Apl. 31(2): 157-163, 2010.
23. Brunton Ll, Chabner Ba & Knollmann Bc. As bases farmacológicas da terapêutica de Goodman e Gilman. 12ª edição. AMGH editora Ltda, 2015.
24. Micromedex Drug Interaction Ⓡ (2018).
25. Braz Cl, Figueiredo Tp, Barrosso, Scc, Reis Amm. Medicamentos com atividade sobre o citocromo P450 utilizados por idosos em domicilio. Revista Médica de Minas Gerais 28, 2018.
26. Ding R, Tayrouz Y, Riedel KD, Burhenne J, Weiss J, Mikus G. et al. Substantial pharmacokinetic interaction between digoxin and ritonavir in healthy volunteers. Clin Pharmacol Ther 76(1): 73-84, 2004.
27. Monastero R, Camarda R, Camarda C. Potential drug-drug interaction between duloxetine and acenocoumarol in a patient with Alzheimer’s disease. Clinical Therapeutics 29 (V): 2706-2709, 2007.
28. Vilaça CO, Leite MAA, Filho JTS, Pessoa BL, Breder R, Ribas MA. et al. Hipotensão ortostática na doença de Parkinson: revisão. Revista Valore, Volta Redonda 4(1): 824-840, 2019.
29. Santos JC, Junior MF, Restini CBA. Potenciais interações medicamentosas identificadas em prescrições a pacientes hipertensos. Revista Brasileira Médica de São Paulo 10(4): 308-317, 2012.
30. Vinagre ALM, Souza MVL. Interferências na absorção de levotiroxina e dificuldades no manuseio de pacientes com hipotireoidismo na unidade de terapia intensiva: relato de dois casos e revisão de literatura. Revista Brasileira de Terapia Intensiva 23(2): 242-248, 2011.
31. Medscape (2019).
32. Pinto NBF, Vieira LB, Pereira FMV, Reis AMM, Cassiani SHB. Interações medicamentosas em prescrições de idosos hipertensos: prevalência e significância clínica. Revista enfermagem UERJ 22(6): 735-41, 2014.
33. Andrade KVF, Souza AM. Prevalência de interações potenciais em indivíduos hipertensos acompanhados na estratégia de saúde da família. Journal of Health & Biological Sciences 6(4), 405-411, 2018.
34. Gerônimo AA, Schmidt RB, Salvi JO. Aspectos farmacológicos da levotiroxina sódica: uma breve revisão. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research – BJSCR 23(2): 128-134, 2018.
35. Medscape (2018).
36. Hoefler R. Ácido acetilsalicílico como antiagregante plaquetario: qual a conduta ideal? Pharmacia Brasileira XI(4): 43-46, 2004.
37. Gonzaga CC, Jr OP, Amoedo C. Interações medicamentosas: inibidores da enzima conversora da angiotensina, bloqueadores dos receptores da angiotensina II, inibidores diretos da renina. Revista Brasileira de Hipertensão 16(4): 221-225, 2009.
38. Guia De Interações Medicamentosas. Universidade Federal de Goiás, Hospital das Clinicas, Coordenação de Farmácia, Goiânia, 2011. Disponível em: < https://farmacia.hc.ufg.br.pdf > Acesso em: outubro. 2019.
39. Araujo APLMG. O papel da glicoproteína-P nas interações fármaco-fármaco. Universidade Fernando Pessoa 1-60, Porto, 2015.
40. Bueno CS, Oliveira KR, Berlezi EM, Eickhoff HM, Dallepiane LB, Girardon-Perlini NMO. et al. Utilização de medicamentos e risco de interações medicamentosas em idosos atendidos pelo programa de atenção ao idoso da Unijuí. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada 30(3): 331-338, 2009.
Publicado
2020-10-30
Seção
Artigo Original