AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E ATIVIDADE ANTIBACTERIANA DE EXTRATO DE PRÓPOLIS

AVALIAÇÃO DE EXTRATOS DE PRÓPOLIS

  • Cristina Peitz de Lima Unibrasil
  • Dayane Silva Bolino Centro Universitário Autônomo do Brasil, Unibrasil
  • Kelly Caroline Dionísio Centro Universitário Autônomo do Brasil, Unibrasil
  • Gabriela Santos de Miranda Centro Universitário Autônomo do Brasil, Unibrasil
  • Grayce Kelly Fernandes Maia Centro Universitário Autônomo do Brasil, Unibrasil
  • André Guilherme de Paula Centro Universitário Autônomo do Brasil, Unibrasil
  • Giuliano Kenro Alves de Campos Toho Laboratório Industrial
Palavras-chave: padrão de qualidade; atividade antibacteriana; propilenoglicol.

Resumo

A própolis é formada por material resinoso e balsâmico. É empregada pela humanidade para fins terapêuticos, pois possui ação anti-inflamatória, antibacteriana e antioxidante. O objetivo deste trabalho foi avaliar o padrão de identidade e qualidade de quatro extratos hidroglicólicos de própolis produzidos com propilenoglicol e água, através de análises sensoriais (aroma, cor, sabor e aspecto) e físico-químicas (extrato seco, cera, flavonoides, compostos fenólicos, atividade de oxidação, espectro de absorção UV-Vis, acetato de chumbo e hidróxido de sódio), bem como avaliar potencial antibacteriano dos extratos contra cepas de Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Pseudomonas aeruginosa e Burkholderia cepacia. Os resultados obtidos foram comparados ao da Legislação Brasileira vigente referente aos extratos hidroalcoólicos e alcoólicos. Nenhuma das amostras analisadas atendeu todos os requisitos, tanto os sensoriais como os físico-químicos estabelecidos. Entretanto todas as amostras apresentaram atividade antibacteriana sobre as cepas utilizadas. Os resultados indicam que os extratos hidroglicólicos de própolis apresentam um padrão de identidade e qualidade diferente do que é estabelecido para extratos de própolis hidroalcoólicos e alcoólicos. Os extratos hidroglicólicos de própolis promoveram inibição do crescimento das bactérias gram-positivas e gram-negativas testadas. Mais estudos devem ser conduzidos para avaliar o potencial terapêutico dos extratos hidroglicólicos de própolis.

Biografia do Autor

Dayane Silva Bolino, Centro Universitário Autônomo do Brasil, Unibrasil

Acadêmica do curso de Farmácia no Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL.

Kelly Caroline Dionísio, Centro Universitário Autônomo do Brasil, Unibrasil

Acadêmica do curso de Farmácia no Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL.

Gabriela Santos de Miranda, Centro Universitário Autônomo do Brasil, Unibrasil

Acadêmica do curso de Farmácia no Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL.

Grayce Kelly Fernandes Maia, Centro Universitário Autônomo do Brasil, Unibrasil

Acadêmica do curso de Farmácia no Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL.

André Guilherme de Paula, Centro Universitário Autônomo do Brasil, Unibrasil

Farmacêutico formado pelo Centro Universitário Autônomo do Brasil – UNIBRASIL

Giuliano Kenro Alves de Campos, Toho Laboratório Industrial

Farmaceutico da Toho laboratório Industrial de Cosmeticos e Alimentos Nutricionais.

Referências

[1] Ghisalberti, EL. Propolis: a review – Foundation of Japanese food analysis center, nº 398040072-001 52-1, Yoyogi-Machi, Shibuya-Ku, Tokyo, Japan. 1980. Bee World, v.60, n.2, p.59-84, 1979.

[2] Peruquetti, RC. Abelhas: milhares de espécies polinizadoras. Informe Agropecuário 13 (149). 1987.

[3] Mariano JS. Extração e caracterização de dois tipos de própolis: verde (mineira) e vermelha (alagoana). Dissertação de Mestrado - Pós-graduação em Engenharia Química da Escola de Engenharia/UFMG. Belo Horizonte/MG. Janeiro de 2014. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/BUOSB3PH8V/1/disserta__o_mestrado__proposlis_verde_e_vermelha.pdf

[4] Pereira ADS, Seixas FRMS, Neto FRDA. Própolis: 100 anos de pesquisa e suas perspectivas futuras. Química Nova, v. 25, p. 321-326, 2002.

[5] Kumazawa S; Hamasaka T; Nakayama T. Antioxidant activity of propolis of various geographic origins Food Chemistry, v.84, n.3, p.329-339, 2004.

[6] Sforcin JM, Junior AF, Lopes CA, Bankova V, Funari SR. Seasonal effect on Brazilian propolis antibacterial activity. Journal of Ethnopharmacology, v.73, n.1-2, p.243-249, 2000.

[7] Apacame (Associação Paulista de Apicultores Criadores de Abelhas Melificas Europeias). A Própolis de Solução Aquosa. Palestra Dr. Ikukatsu Suzuki, 26 de Julho de 2000. Disponível em: http://www.apacame.org.br/mensagemdoce/58/palestra.htm

[8] Marcucci CM. Propriedades medicinais e terapêuticas dos constituintes químicos da própolis - Instituto de química - Universidade Estadual de Campinas/SP. Química Nova, Vol.19 No.5 529 – v.19 n.512. 2002.

[9] Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA - BR). Dispõe sobre a Instrução Normativa n° 3, de 19/01/2001– Regulamento de identidade e qualidade de extrato de própolis, 2001.

[10] Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA – BR). Farmacopeia Brasileira, volume 1. 5ª Ed. Brasília, 2010.

[11] Kawakita ET, Souza EA, Uehara DM, Orsi RO. Avaliação da vida útil do extrato hidroalcóolico de própolis mantido sob diferentes temperaturas de armazenamento. ASA. V.3, n.1, p. 33-46, 2015.

[12] Alves E, Kubota EH (2002) Rev. Ciên. FarmBás. Apl. 34:37-41.

[13] Lima CP, Cunico MM, Miyazaki CMS, Miguel, OG, Côcco, LC, & Yamamoto, CI, et al. (2012). RevBrasPlant. Med 14:321-326.

[14] Matsuda AH, Melo AAM, Muradian, LBA. Identidade e qualidade a própolis proveniente de quatro regiões do Brasil. Ver. Inst. Adolfo Lutz (Impr.). 71(3): 540-548. Janeiro/2012.

[15] Molinaro EM, Caputo LFG, Amendoeira MRR (Org). Conceitos e Métodos para a Formação de Profissionais em Laboratórios de Saúde, v. 4. Rio de Janeiro: EPSJV, IOC, 2009.

[16] Ostrosky EA, Mizumoto MK, Lima MEL, Kaneko TM, Nishikawa SO, Freitas BR. Métodos para avaliação da atividade antimicrobiana e determinação da Concentração Mínima Inibitória (CMI) de plantas medicinais Rev. bras. farmacogn. vol.18 n.2 João Pessoa Apr./June 2008.

[17] Funari CS, Ferro VO. Análise de própolis. Ciênc. Tecnol. Aliment. Campinas, v. 26, n.1, p. 171-178, Mar.2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-20612006000100028&lng=en&nrm=iso

[18] Soares ALF, Bilezikjian PJ, Parceli EG, Medeiros PCM, Souza LA. Identidade e qualidade de diferentes extratos de própolis. Revista Gestão em Foco. Edição nº 9. 2017.

[19] Gonsales, G.Z., Orsi, R.O., Rodrigues, P. e Funari, S.R.C. 2005. Análises físico-químicas de extrato alcoólico de própolis. B. Indústr. Anim., Nova Odessa, 62: 215-9. Disponível em: http://iz.agricultura.sp.gov.br/bia/index.php/bia/article/view/1299/1294

[20] Souza E.A., Inoue H.T., Gomes S.M.A., Funari S.R.C., Orsi R.O.. Propriedade físico-química da própolis em função da sazonalidade e método de produção. Arch. zootec. [Internet]. 2010 Dic [citado 2020 Maio 26] ; 59( 228 ): 571-576. Disponível em: http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-05922010000400010&lng=es.

[21] Simões CC, Araújo DB, Araújo RP. Estudo in vitro e ex vivo da ação de diferentes concentrações de extratos de própolis frente aos microrganismos presentes na saliva de humanos. Revista Brasileira de Farmacognosia, João Pessoa, v.18, n.1, p.84-89, jan/mar 2008.

[22] Woisky RG. Métodos químicos para controle de amostras de própolis. [dissertação de mestrado]. São Paulo (SP): Faculdade de Ciências Farmacêuticas; 1996.

[23] Gregório LE. Influência da sazonalidade na composição polínica, no perfil químico e na atividade antimicrobiana da própolis produzida em Cajuru-SP. [dissertação de mestrado]. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo; 2003.

[24] Lima LSC. Caracterização físico-química e atividades antioxidante e antimicrobiana de própolis produzidas em colônias de abelhas Apis mellifera L. na região Noroeste do Estado do Ceará. [Dissertação de Mestrado]. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará. 2015.

[25] Lima AON. Produção de própolis por abelha melífera africanizada (Apis mellifera L.) na caatinga do baixo Jaguaribe cearense. 2012. 92f. Tese (Doutorado em Zootecnia) – Universidade Federal do Ceará, Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Zootecnia, Programa de Pós-Graduação Integrado em Zootecnia, Fortaleza, 2012.

[26] Silva RA, Rodrigues AE, Ribeiro MCM, Custódio AR, Andrade NED, Pereira WE. Características físico-químicas e atividade antimicrobiana de extratos de própolis da Paraíba, Brasil. Cienc. Rural [online]. 2006, vol.36, n.6, pp.1842-1848. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84782006000600027&lng=en&nrm=iso.

[27] Carratu E, Sanzini E. Sostanze. Biologicamente ative presenti negli alimenti di origine vegetable. Annalidell’ Instituto SuperiorediSanitá. 2005;41(1):7-16.

[28] Horst MA, Cruz A de C, Lajolo FM. Biodisponibilidade de compostos bioativos de alimentos. In: Biodisponibilidade de Nutrientes. Barueri: Manole; 2016.

[29] Asis M. Propóleos: el oro púrpura de las abejas. Centro de Información y Documentación Agropecuaria. Editorial CIDA. La Habana. Cuba. 1989.

[30] Toreti VC. Estudo da influência da sazonalidade sobre algumas propriedades físico-químicas e biológicas da própolis de dois apiários do estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado), 2011. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Engenharia de Alimentos. Campinas, 2011.

[31] Longhini R, Raksa SM, Oliveira ACP, Svidzinski TIE, Franco SL. Obtenção de extratos de própolis sob diferentes condições e avaliação de sua atividade antifúngica. Rev. bras. farmacogn..7(3):388-395. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-695X2007000300015&lng=en.

[32] Junior LF, Covre YP, Oliveira P, Mikalouski U. Bactéria Staphylococcus aureus. Congresso Multidisciplinar da Faculdade de Apucarana, 2019. Disponível em: http://www.fap.com.br/anais/congresso-multidisciplinar-2019/poster/183.pdf

[33] Nunes KO. Escherichia coli: como uma bactéria do intestino pode causar infecção urinária? – Departamento de Microbiologia – Instituto de Ciências Biomédicas - Universidade de São Paulo (USP), 2018. Disponível em: http://microbiologia.icb.usp.br/cultura-e-extensao/textos-de divulgacao/bacteriologia/bacteriologia-medica/escherichia-coli-como-uma bacteria-do-intestino-pode-causar-infeccao-urinaria/

[34] Bush LM, Perez MT. Pseudomonas e infecções relacionadas. Manual MDS – Versão para profissionais da Saúde. Abril/2018. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt/profissional/doen%C3%A7as-infecciosas/bacilos-gram-negativos/pseudomonas-e-infec%C3%A7%C3%B5es-relacionadas.

[35] Lutz L, Paris FD, Vieira MI, Marques EDA, Barth AL. Bacteriologia da Fibrose Cística. Unidade de Microbiologia, Serviço de Patologia Clínica, Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Unidade de Biologia Molecular, Serviço de Patologia Clínica, HCPA. Laboratório de Bacteriologia, Hospital Universitário Pedro Ernesto, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Serviço de Patologia Clínica, HCPA, UFRGS. Porto Alegre, RS. 2011. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/hcpa/article/download/21152/12749

[36] Gomes, Maria F.F. et al . Atividade antibacteriana in vitro da própolis marrom. Pesq. Vet. Bras., Rio de Janeiro, v. 36, n. 4, p. 279-282, Abr.2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-736X2016000400279&lng=en&nrm=iso.

[37] Junior AF et al . Atividade antimicrobiana de própolis de Apis mellifera obtidas em três regiões do Brasil. Cienc. Rural, Santa Maria , v. 36, n. 1, p. 294-297, Feb. 2006 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84782006000100047&lng=en&nrm=iso

[38] Maia-Araújo YLF, Mendonça LS, Orellana SC, Araújo ED. Comparação entre duas técnicas utilizadas no teste de sensibilidade antibacteriana do extrato hidroalcoólico de própolis vermelha – Scientia Plena – volume 7, num 4. 2011. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/8664/2/Compara%C3%A7%C3%A3o%20entre%20duas%20t%C3%A9cnicas%20utilizadas%20no%20teste%20de%20sensibilidade%20antibacteriana%20do%20extrato%20hidroalco%C3%B3lico%20de%20pr%C3%B3polis%20vermelha..pdf
Publicado
2021-08-05
Seção
Artigo Original